quarta-feira, 3 de março de 2021

Vereador Dr. Manoel detona negacionistas antivacina e pró-cloroquina

03/03/2021_

Café com Jornalista – Único médico na atual legislatura da Câmara de Maringá, Dr. Manoel Sobrinho (PL), 74 anos, soltou o verbo contra os negacionistas de plantão. O vereador demonstrou toda sua irritação com a ignorância do discurso antivacina e pró-cloroquina. 

Já vacinado contra a covid-19, Dr. Manoel atribuiu ao negacionismo o elevado número de mortes nos Estados Unidos e no Brasil. O desabafo ocorreu na penúltima sessão ordinária antes da suspensão das atividades do Legislativo maringaense, em decorrência do lockdown estadual.

Vereador Dr. Manoel na tribuna da Câmara de Maringá – Foto: reprodução
Vereador Dr. Manoel na tribuna da Câmara de Maringá – Foto: reprodução

Mortes

Dr. Manoel citou a Índia, segundo país mais populoso do mundo, para apontar as consequências do negacionismo de Estados Unidos e Brasil, países que lideram o número de óbitos na pandemia. Com 325 milhões de habitantes, os EUA já ultrapassou a marca de 518 mil mortes pela covid-19. Com quase 212 milhões de habiantes, o Brasil soma 257 mil mortes.

"A Índia, um país mais pobre que o nosso, que tem 1,356 bilhão de habitantes, está em terceiro [em mortes por covid-19], com cerca de 160 mil mortes. Esse país obedece a ciência", disse Dr. Manoel.
Em números exatos, a Índia tem uma população estimada (para 2021) de 1,389 bilhão – 1 bilhão e pouco a mais que os EUA. Com 157,3 mil mortes pela covid-19, a Índia está atrás também do México, que soma 187,2 mil óbitos. Os dados – obtidos às 17h30 desta quarta (3) – são da universidade Johns Hopkins. 


Cloroquina

Sobre o medicamento recomendado à exautão pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Dr. Manoel relembrou que a ciência já comprovou a ineficácia do produto como tratamento preventivo ao coronavírus. Além disso, segundo médico, está comprovado que a hidroxicloroquina causa arritmia se o coração já estiver frágil, como pode ocorrer em pacientes com covid-19.

"A ciência já provou que esse vírus ataca também o coração, além do cérebro e o pulmão (...). E ainda tem protocolo dando hidroxicloroquina, quando a ciência já provou que não resolve; dando ivermectina, que só serve para piolho, sarna e vermes; e também azitromicina que, por ser antibiótico, para vírus não serve", esclareceu o vereador.
De cientistas políticos de WhatsApp, nas eleições de 2018, a doutores de Facebook, na pandemia; os negacionistas de plantão também tiram Dr. Manoel do sério, quando falam que a cloroquina não causa arritmia em pacientes com malária. "A questão é que a malária não ataca o coração. E para quem tem reumatismo a dosagem é pequena", disse o edil.


Vacina

O médico vereador demonstrou ainda mais indignação ao se referir aos negacionistas antivacina. Segundo ele, essa ignorância explica o retorno de doenças que já haviam sido erradicadas no país há décadas.  

"Que coisa mais ignorante [o discurso antivacina]. Eu sempre defendi a medicina preventiva, e a vacina é a prevenção. Agora, vejo uns idiotas soltando na rede social que não é para tomar a vacina. Estamos retroagindo por causa dessa ignorância e burrice", reclamou.

 

China

A posição de alguns, contrários à vacina chinesa "comunista", também incomoda Dr. Manoel. Segundo ele, essas pessoas se esquecem que os produtos que comporamos, em sua maioria, são produzidos na China, bem como os insumos das vacinas. 

"São tão ignorantes que não sabem que todos os insumos estão vindo da China, para todas as vacinas. Isso porque, quando a China abriu para capital, todas as multinacionais foram para lá. A China desindustrializou o planeta, e não é culpa dela, é culpa das multinacionais, que vão para lá porque por ser mais fácil de produzir, com mão de obra mais barata".


Sessões 

Se a pandemia permitir, as sessões da Câmara de Maringá devem ser retomadas na próxima semana. O momento é crítico, com várias pessoas do Legislativo, incluindo assessores e o vereador Paulo Biazon (PSL), positivadas para o coronavírus.



>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


Um comentário:

  1. Até esses médicos estão perdidos,a vacina não tem comprovação científica ainda,ao contrário dos remédios, e pessoas estão sendo curadas com esses remédios que existem a muitos anos,Tem sim eficácia, isso é só pra confundir as pessoas menos esclarecidas.

    ResponderExcluir

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista