quinta-feira, 11 de março de 2021

No home office, professor faz terceiro turno não remunerado

11/03/2021_

Das assessorias – Solução encontrada para proteger vidas pandemia, o trabalho remoto tem rendido a muitos profissionais da educação um turno extra de trabalho, investimentos do próprio bolso e nenhuma ajuda de custo do governo do Estado. Tem sido assim com Marcelo Junior dos Santos, 43 anos, professor de Geografia formado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Professor Marcelo Junior, dos colégios Unidade Polo e Independência
Professor Marcelo Junior, dos colégios Unidade Polo e Independência – Foto: Divulgação
Professor da rede estadual desde 2005, Marcelo Junior leciona nos colégios estaduais Unidade Polo (Maringá) e Independência (Sarandi). Segundo ele, o trabalho em home office tem hora para começar, mas não para acabar. Após dar aulas das 7h30 da manhã ao fim da tarde pelo Google Meet, e de subir os materiais didáticos para a plataforma do governo, às 17h30 começa a jornada extra – não remunerada.


É à noite que o professor do Unidade Polo e Independência tira um tempo extra para responder às dúvidas de estudantes e de pais e mães por e-mail e pelo WhatsApp. É nesse horário, também, que o professor reforça a divulgação de tarefas, insistindo para que seus alunos não abandonem os estudos.

"Não dá conta de fazer só na hora atividade, que é uma vez por semana. Então, a gente tem de atender eles [estudantes e pais] depois do horário mesmo. Não tem opção", comenta o professor.
Outro desafio do trabalho remoto são os custos adicionais. Para conseguir dar suas aulas, Marcelo Junior precisou investir do próprio bolso num ambiente adequado de trabalho, além de comprar equipamentos que não possuía, como microfone e câmera. Para acrescentar, é ele quem paga o boleto da internet.  

"O governo não ofereceu nada", reclama. "É uma situação bastante complexa. Tive de adaptar minha casa para conseguir dar minhas aulas, separando um cômodo para poder fazer isso", acrescenta.


Preocupação

Para Marcelo Junior, as dificuldades enfrentadas pelos professores não são maiores que aquelas das famílias mais humildes. Em muitos casos, relata o professor, os alunos não conseguem acompanhar as aulas virtuais porque o sinal é pesado demais para a internet oferecida pelo governo. 

"Muitas famílias não têm um telefone adequado, e os pais não têm condições de comprar um. Em outras famílias, só há um telefone para três filhos acompanharem as aulas. Por isso, muitos só conseguem fazer as atividades na plataforma", relata.

Volta às aulas

Quem é professor sabe que não há a mínima chance de retomar as aulas presenciais, neste momento de pico da covid-19, sem colocar a comunidade escolar em risco. "Tive aluno que reclamou que a família toda está com coronavírus. Imagina se esses estudantes estivessem indo à aula?", questiona.


Marcelo Junior acrescenta que crianças e adolescentes não têm a mesma atenção dos adultos para com os protocolos de segurança. Segundo ele, se o governo insistir em adotar o sistema híbrido, agora, "vai ser uma catástrofe".

Apesar de a volta às aulas presenciais significar o fim do terceiro turno de trabalho (não remunerado), Marcelo Junior defende que isso só deve ocorrer com o mínimo de segurança. Ou seja, com os profissionais da educação vacinados.

Amanhã

A série "Trabalho remoto é TRABALHO", da APP-Sindicato Maringá, continua nesta sexta (12) com a rotina de um outro profissional da educação. Acompanhe.



>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista