sábado, 6 de março de 2021

#CustoBolsonaro viraliza nas redes sociais; bolsonaristas revidam com outro vídeo

06/03/2021_

Café com Jornalista – "Você sabe o que é o custo Bolsonaro? No fundo você já sabe". Assim começa um vídeo anônimo, de apenas 1min30, que tem dado o que falar nas redes sociais desde quinta (4), quando foi publicado. #CustoBolsonaro atribui ao presidente da República, por exemplo, a alta no preço da gasolina, a queda nas ações da Petrobras, a desvalorização do Real e a pior gestão da pandemia.

Assista ao vídeo #CustoBolsonaro – clique na imagem
"O custo Bolsonaro é o caos no país e o vexame no exterior (...), é a fuga dos investidores internacionais", diz trecho do vídeo apontando imagens de ministros do atual governo. "Você confiaria seu dinheiro a essa equipe", questiona o vídeo, que vai além.

"[Custo Bolsonaro] é perder a confiança da China, por causa do filho do presidente; perder a confiança dos Estados Unidos, por causa de mentiras de WhatsApp; é ver a Amazônia pegar fogo, junto com nossos acordos comerciais; é fechar as portas para a União Europeia e virar as costas para o Mercosul; é perder a Ford para a Argentina e ver o Amazonas depender de oxigênio da Venezuela", diz o trecho mais crítico do vídeo.  
Com edição profissional, o vídeo fala sobre um país que "espera por vacina e paga por cloroquina". No Twitter, foi compartilhado por inúmeros famosos, entre eles os políticos Ciro Gomes, Guilherme Boulos, as artistas Anitta e Alice Braga, e o humorista Gregório Duvivier.


Segundo o site Poder 360, o vídeo foi publicado pela primeira vez no Twitter pelo Instituto ClimaInfo, ONG que atua no combate às mudanças climáticas. O perfil, que coleciona tuítes contra Bolsonaro, negou ter elaborado o material, e divulgou uma nota dos autores. 

"Nossa intenção é apenas resumir e comunicar da maneira mais clara possível algo que entendemos ser urgente para qualquer brasileiro ou brasileira preocupada com o destino político, econômico e social do nosso país", declararam os autores.
Quanto ao anonimato, foram dadas duas justificativas: "Primeiro, porque o foco deve ser na mensagem, no alerta. Segundo, porque todos podem ver e sentir a atmosfera autoritária imposta por um governo que mobiliza o Estado e as redes para perseguir seus críticos".

Dois dias depois, um novo vídeo, agora de apoiadores do presidente, surgiu para rebater as críticas. "Custo Bolsonaro – parte 2" cita a corrupção de governos anteriores, o encaminhamento para a privatização de estatais, a invasão de propriedades privadas de outros tempos e apresenta um discurso contra o isolamento social na pandemia.

Assista ao vídeo "Custo Bolsonaro – parte 2", clique na imagem




>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista