quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Professores da rede estadual marcam início da greve para 1º de março, caso o governo insista nas aulas presenciais

18/02/2021_

Café com Jornalista – Os professores das escolas públicas do Paraná não aceitam a retomada das aulas presenciais enquanto não houver condições mínimas – como a vacinação dos profissionais da educação, por exemplo. Essa decisão foi reforçada, na quarta (17), em assembleia realizada pela APP-Sindicato.

Assembleia realizada pela APP-Sindicato – Foto: Divulgação
Assembleia realizada pela APP-Sindicato – Foto: Divulgação
A categoria – que defende a manutenção das atividades remotas – decidiu pelo adiamento da greve geral dos professores para 1º de março ou quando forem retomadas as aulas presenciais. A assembleia ocorreu em plataforma virtual, com a participação de mais de mil professores e funcionários de escolas da rede estadual.


A proposta aprovada em assembleia foi construída em reunião do Conselho da APP, ocorrida na véspera. Participaram daquela reunião representantes dos 29 núcleos regionais do sindicato. Professores e funcionários decidiram manter a greve caso o governador Ratinho Júnior (PSD) insista no retorno presencial. 

Inicialmente, a greve havia sido convocada para quinta-feira (18). Contudo, após pressão da categoria e de lideranças municipais, o governo do Paraná decidiu adiar o retorno presencial para 1º de março. O mesmo fez o prefeito de Maringá, Ulisses Maia (PSD), em decreto publicado na quarta (17).

Os fatos escancaram a realidade de que não há condições mínimas, neste momento, para o retorno das aulas presenciais. Em várias regionais de saúde, os leitos de UTI para pacientes com covid-19 estão praticamente esgotados, e a situação tende a piorar com o avanço da variante do coronavírus, identificada em Manaus e chamada de P.1, que é mais transmissível.


Mesmo sem as aulas presenciais, escolas estaduais têm enfrentado surtos de covid-19. Segundo levantamento da APP-Sindicato, somente na região de Maringá, ao menos nove escolas ficarão fechadas nos próximos 14 dias porque educadores foram contaminados após treinamento presencial. Se os estudantes já tivessem retornado às salas de aula, a situação seria bem pior.

"É lamentável. É um atentado à vida. Se isso aconteceu desta forma com a presença de professores e funcionários, imagina quando estiverem os estudantes circulando?", questiona o professor Hermes Silva Leão, presidente da APP-Sindicato. 
Na avaliação de especialistas consultados pelo sindicato, não há protocolos suficientes para conter o contágio entre estudantes e profissionais. Além disso, a APP-Sindicato recebeu inúmeras denúncias de condições sanitárias precárias nas escolas estaduais, com a falta até mesmo de álcool em gel. 

Nos próximos dias, dirigentes do sindicato vão intensificar as visitas às escolas para verificação de situações de descumprimento de resoluções e decretos do próprio governo. Os sindicalistas também conversarão com profissionais, pais, mães e estudantes sobre a decisão da categoria, que visa à defesa da vida de toda a população paranaense.

Boletim

De acordo com o boletim da Secretaria de Estado da Saúde, divulgado nesta quinta (18), o Paraná registrou 3.027 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, com 92 novas mortes. Com isso, os números de pessoas infectadas e de óbitos sobem para 600.189 e 10.907, respectivamente. Até o fim da manhã desta quinta, o Paraná aplicou 308.972 doses da vacina contra a covid-19. 


 Crônica: O leite condensado nos libertará 


>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista