quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Cafeinado: Câmara de Maringá discute essencialidade da educação

24/02/2021_

Café com Jornalista – Assuntos relativos ao Decreto 546/2021, publicado pela Prefeitura de Maringá na segunda (22), dominaram as discussões na Câmara Municipal na sessão desta terça (23). Uma das medidas do decreto foi a suspensão das aulas presenciais em todas as instituições de ensino públicas e privadas da cidade.

O destaque da sessão foi o projeto de lei do vereador Sidnei Telles (Avante), apresentado em regime de urgência, que estabelece as atividades educacionais como serviços essenciais ao município. Após defender a essencialidade do serviço, Telles retirou o projeto da pauta por tempo intederminado, permitindo que o assunto fosse discutido mais a fundo antes de ser votado.

Proposta

Trecho do projeto de lei: "O exercício das atividades presenciais não estará sujeito a suspensão ou interrupção, podendo a Administração Municipal estabelecer restrições e instituir normas sanitárias e protocolos a serem seguidos, inclusive quanto à ocupação máxima dos estabelecimentos". A medida, se aprovada, valerá apenas para o período da pandemia.

A sindicalista Priscila Guedes, o vereador Sidnei Telles e a jornalista Vanessa Bellei na sessão de terça (23) – Imagens: Reprodução/TV Câmara
A sindicalista Priscila Guedes, o vereador Sidnei Telles e a jornalista Vanessa Bellei na sessão de terça (23) – Imagens: Reprodução/TV Câmara

Sindicato

A Câmara abriu espaço na tribuna para que representantes da sociedade. Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar), Priscila Guedes pediu para que os vereadores rejeitassem a urgência. Segundo ela, o trabalho remoto na educação vai evitar o trânsito de cerca de 110 mil pessoas por dia em Maringá. Esse fluxo de pessoas poderia piorar ainda mais o quadro da covid-19, que já é grave.

Pais e mães

Representando as famílias que têm filhos em idade escolar, a jornalista Vanessa Bellei disse que as escolas privadas estão preparadas para atender presencialmente e com segurança. Segundo ela, muitos pais e mães estão passando dificuldades porque precisam trabalhar, mas não têm com quem deixar seus filhos. Um abaixo-assinado com mais de 3.000 assinaturas pede que a educação seja tratada como serviço essencial.


Vacina

Vários edis, entre eles Delegado Luiz Alves (Republicanos) e Dr. Manoel (PL), defenderam que a essencialidade "não pode ser pela metade". Se for para classificar a educação como essencial em lei, é necessário que os profissionais da área sejam vacinados contra a covid-19, como ocorre na saúde. Manoel disse que vai apresentar emenda ao projeto de Telles para exigir a vacina.

Decreto

A maioria dos vereadores concorda com o novo decreto, mas alguns dos edis reclamaram que foram pegos de surpresa com a publicação do documento no Órgão Oficial do Município. No início da pandemia, a definição das medidas restritivas, sem o conhecimento prévio do Legislativo, causou grande descontentamento dos parlamentares com o prefeito Ulisses Maia (PSD).

Ana Lúcia

Professora da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Ana Lúcia criticou a proposta de transformar a educação, que é fundamental, em atividade essencial. Isso significaria, segundo ela, que as escolas teriam de funcionar a qualquer custo, mesmo no agravamento da pandemia. "Morram todas as pessoas de Maringá, a educação vai funcionar", comentou a vereadora.

Ausentes

A covid-19 foi o motivo da ausência de três vereadores na sessão de terça. Paulo Biazon (PSL) foi infectado pelo novo coronavírus. A sogra de Alex Chaves (MDB) também positivou e, por precaução, ele se ausentou. Com problemas de saúde, Belino Bravin (PSD) faltou à sessão por prevenção ao vírus.


No YouTube

O filósofo e escritor Paulo Ghiraldelli, crítico assíduo do governo Bolsonaro, falou de Maringá em recente vídeo em seu canal no YouTube. No alvo das duras críticas estão a primeira-dama Michelle e a UniCesumar. Assista aqui

Meme

O meme da vez é uma homenagem ao jornalista Marcelo Bulgarelli, botafoguense convicto, que raras vezes tem seu momento de alegria no futebol.


Leia também


Esta coluna é assinada pelo jornalista Luiz Fernando Cardoso, editor do Café com Jornalista. Clique aqui ou na imagem acima para ler mais publicações da coluna Cafeinado. Leia ainda publicações com algumas das tags mais populares do blog: Bolsonaro, Dilma, Doria, Ulisses Maia, Câmara, Eleições 2020, covid-19, vacina.

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista