sábado, 27 de fevereiro de 2021

Lockdown mostra que APP-Sindicato estava certa ao se posicionar contra aulas presenciais

27/02/2021_

Das assessorias – O tempo mostrou que a APP-Sindicato estava correta ao defender o ensino remoto, neste momento da pandemia, e ao se posicionar contra o governador Ratinho Júnior (PSD), que vinha mantendo para segunda (1º) a previsão de retomada das aulas presenciais na rede estadual de ensino. Nesta sexta (26), o governo recuou e anunciou lockdown.

Aula remota – Foto: Divulgação/MCTIC/Brasil de Fato
Aula remota – Foto: Divulgação/MCTIC/Brasil de Fato
Entre as medidas restritivas anunciadas pelo governo do Estado para o período entre 27 de fevereiro e 8 de março está a suspensão de todos os serviços e atividades não essenciais. Isso inclui a suspensão das aulas presenciais em escolas estaduais públicas e privadas, incluindo entidades conveniadas.


Para a APP-Sindicato, a decisão do governador foi tardia. Os números recentes da pandemia já apontavam para o caos. Nesta quinta (25), por exemplo, o Brasil registrou o recorde de 1.582 mortes pela covid-19 em 24 horas. Desse total, 110 óbitos foram registrados no Paraná.


Maringá, que se saiu relativamente bem no primeiro pico da covid-19, vive agora uma situação crítica. Os hospitais públicos e particulares da cidade atingiram a ocupação máxima de leitos destinado à covid-19, o que ainda não havia ocorrido nesta pandemia. Nas cidades vizinhas, que não possuem leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), a situação é ainda mais preocupante.

Na quinta, a Secretaria Municipal de Educação informou que o Hospital Municipal havia atingido alarmantes 100% de ocupação. No Hospital Universitário (HU), ligado à Universidade Estadual de Maringá (UEM), os leitos tanto de enfermaria como de UTI para pacientes com covid-19 estavam lotados. Esse mesmo cenário é visto em várias cidades do Paraná.

Na quarta (24) à noite, em reunião com o prefeito de Maringá, Ulisses Maia (PSD), e com representantes da saúde e entidades, a Sociedade Médica de Maringá (SMM) apontou que a pandemia atingiu níveis críticos. A superintendente do HU, Elisabete Kobayashi, disse que, além de a taxa de ocupação da instituição já estar em 100%, 50 pacientes estavam na fila de internação.


Na educação, a situação é igualmente preocupante. Mesmo sem aulas presenciais, escolas estaduais têm enfrentado surtos de covid-19. Segundo levantamento da APP-Sindicato, divulgado em 18 de fevereiro, somente na região de Maringá ao menos nove escolas precisaram ser fechadas após educadores serem contaminados pela covid-19 em treinamento presencial.

Presidente da APP-Sindicato, o professor Hermes Silva Leão disse que volta às aulas, sem a ampla vacinação, seria um atentado à vida. "Se isso [surtos nas escolas] aconteceu desta forma, com a presença de professores e funcionários, imagina quando estiverem os estudantes circulando?", disse.

De acordo com a professora Vilma Garcia, ex-vereadora e presidente da APP-Sindicato em Maringá, não há protocolos suficientes para conter o contágio entre estudantes e profissionais, especialmente no pior momento da pandemia. Essa também é a avaliação de especialistas consultados pelo sindicato.


Para a dirigente da APP Maringá Anunciata Albanêz, a nova cepa do coronavírus (aquela de Manaus) é ainda mais contagiosa, o que eleva o risco de faltarem leitos para o tratamento dos pacientes. "É nesse cenário caótico que o governador Ratinho Junior queria retomar as aulas presenciais", diz Anunciata. "Precisamos de toda a comunidade escolar, pais, mães e alunos, para evitar que isso aconteça após 8 de março", acrescenta.

É nesse ambiente de medo e incertezas que a categoria decidiu, em assembleia realizada pela APP-Sindicato no último dia 17, a realização de greve geral quando foram retomadas as aulas presenciais, caso isso ocorra antes da vacinação dos profissionais da educação. A categoria defende a manutenção das atividades remotas, enquanto não houver condições mínimas de segurança.


 Hospital Municipal de Maringá chega a alarmantes 100% de ocupação


>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista