segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Ministério Público vai investigar mortes por falta de oxigênio no Amazonas

18/01/2021_

Café com Jornalista – Os mortes causadas por asfixia, em decorrência da falta de oxigênio em hospitais públicos e privados de Manaus, serão apuradas pelo Ministério Público do Amazonas. O procedimento foi instaurado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Carregamento de oxigênio – Foto: Divulgação/Aeronáutica
Carregamento de oxigênio – Foto: Divulgação/Aeronáutica
De acordo com a Agência Brasil, o MP vai apurar se "evidências de atuação criminosa organizada" e apontar soluções para a situação, que chocou o Brasil e o mundo na semana passada. Além do Gaeco, as investigações contarão com a colaboração de membros de outras promotorias que lidam com o direito à saúde, à vida e à dignidade humana.


Um dos objetivos da investigação é apurar quem, "entre pessoas físicas, jurídicas, servidores e entidades", deixou de observar as "medidas de precaução necessárias", permitindo que o caos se instalasse no sistema de saúde amazonense. Ainda não está claro se a investigação também vai apurar a atuação de lideranças negacionistas contra o lockdown e outras medidas preventivas adotadas, anteriormente, para evitar o avanço da covid-19.


Na terça-feira (12), por conta do novo surto de covid-19, o governador Wilson Lima já alertava que , somente, nos estabelecimentos públicos de saúde, a demanda pelo produto tinha aumentado mais de 11 vezes. "Consumimos, na rede pública estadual de saúde, uma média de 5 mil metros cúbicos diários. Só nessa terça-feira foram consumidos 58 mil metros cúbicos", disse Lima, na terça.

Principal fornecedora do produto para o Estado, a empresa White Martins informou que, para mitigar a situação, está adotando uma série de medidas, como a importação de oxigênio da Venezuela. Do país vizinho também são esperadas doações, sem qualquer ligação com o montante que será importado. 

De acordo com o governo do Amazonas, carretas vindas da Venezuela devem chegar nesta segunda (18) a Manaus, transportando 107 mil metros cúbicos de oxigênio doados pelo governo do Estado venezuelano de Bolívar. "Isso vai contribuir significativamente para que haja uma estabilidade na nossa rede hospitalar, tanto na capital quanto no interior", afirmou o governador Wilson Lima, em nota.


Força-tarefa

A situação em Manaus só não foi pior devido a uma operação de guerra montada com o apoio de órgãos públicos, sobretudo das Forças Armadas. Nos últimos dias, aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) transportaram até o Amazonas 36 tanques de oxigênio líquido, 1.510 cilindros de oxigênio gasoso, 40 respiradores e 12 usinas de oxigênio, entre outros equipamentos que, até este fim de semana, já totalizavam mais de 168 toneladas de carga.


 Novo decreto: cinemas reabrem em Maringá após quase dez meses

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista