domingo, 17 de janeiro de 2021

Cafeinado: Doria sai bem na foto da primeira vacina e causa dor de cotovelo no governo Bolsonaro

17/01/2021_

Café com Jornalista – Com mais de 200 mil mortes pela covid-19, o Brasil concentra 10% do total de óbitos no mundo pela doença respiratória causada pelo novo coronavírus. Por isso, desde o início da maior crise sanitária em um século, nenhuma notícia foi tão importante quanto o início da vacinação, neste domingo (17).

primeira pessoa vacinada no país foi a enfermeira Mônica Calazans, 54 anos, que trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo. Ela recebeu a primeira dose da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac que, no Brasil, será fabricada pelo Instituto Butantan. 

O governador João Doria e a enfermeira Mônica Calazans no evento mais importante da pandemia: o início da vacinação
O governador João Doria e a enfermeira Mônica Calazans no evento mais importante da pandemia: o início da vacinação – Reprodução/Globo News

Doria na foto

A primeira vacina foi aplicada minutos após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial da Coronavac e da vacina Oxford/Astrazeneca. O governador João Doria (PSDB) saiu na foto, fez discurso, apareceu mais (e melhor) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), criticou negacionistas e irritou o ministro Eduardo Pazuello (Saúde).

Reação do ministro

Em Brasília, Pazuello criticou a imunização simbólica em São Paulo por, segundo ele, "estar em desacordo com a lei". Em tese, a vacina só poderia ter sido aplicada após o início do Plano Nacional de Vacinação. Em aparente "dor de cotovelo", Pazuello acusou Doria – adversário político de Bolsonaro – de fazer marketing com a vacina


Chapéu alheio

Pazuello chegou a dizer que toda a vacina do Butantan teve recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) e que "não foi com um centavo de São Paulo". Doria desmentiu o ministro, mas nem precisava. Todo mundo sabe que o governo federal fez muito menos do que devia em prol da vacina. Também é sabido que Bolsonaro chegou a comemorar a suspensão dos testes da Coronavac em novembro. Agora, com a autorização da Anvisa, o governo federal queria fazer corteria com o chapéu alheio.

Meme


Exigência

Em meio à disputa política, Pazuello lembrou que há um contrato entre as partes, o qual exige do Instituto Butantan o envio das 6 milhões de doses inicias da Coronavac (tantas vezes desmerecida por Bolsonaro) ao Ministério da Saúde. São Paulo informou que fará o envio, mas ficará com o percentual que lhe cabe: 1,4 milhão de doses.

Próximos capítulos

Pazuello disse que a vacinação começará na quarta-feira, com distribuição da vacina a partir das 7 horas desta segunda (18). No entanto, Doria antecipou que os paulistas começarão a ser vacinados já nesta segunda. Será mais uma derrota para o governo Bolsonaro, um dos governantes mais omissos no mundo na pandemia do coronavírus. O gado discorda, claro.


Não faltou aviso

Não foi por falta de aviso que o presidente Bolsonaro deixou de tomar medidas de prevenção mais firmes em relação à covid-19. Em 25 de março, um repórter alertou ao presidente que especialistas apontavam para o risco de o Brasil ter mais de 200 mil mortos pela doença. Bolsonaro ironizou... relembre aqui.

Vacinados

Além da enfermeira Mônica, outras pessoas foram vacinadas já neste domingo. Uma delas foi Vanuza Costa Santos, 50 anos, moradora da aldeia multiétnica Filhos Dessa Terra, de Guarulhos (SP). Foi a primeira indígena no Brasil a tomar a vacina contra a covid-19. Leia mais aqui.

Venezuela

Diante da inércia do governo federal no envio urgente de oxigênio a hospitais de Manaus, esta semana, a ajuda veio de muitos lugares: artistas, jogadores de futebol, cantores e até do ditador Nicolás Maduro. A Venezuela enviou oito caminhões com aproximadamente 130 mil litros de oxigênio. Há relatos de mortes por asfixia em Manaus. Meus Deus, a que ponto chegamos. 
 Preso por invadir o Capitólio, 'Viking' está sem comer porque cadeia não oferece comida orgânica


Esta coluna é assinada pelo jornalista Luiz Fernando Cardoso, editor do Café com Jornalista. Clique aqui ou na imagem acima para ler mais publicações da coluna Cafeinado. Leia ainda publicações com algumas das tags mais populares do blog: Bolsonaro, Dilma, Doria, Ulisses Maia, Câmara, Eleições 2020, covid-19, vacina.

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista