sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Brasil tem 38 instituições no ranking das universidades mais sustentáveis do mundo

15/01/2021_

Café com Jornalista – O Brasil tem 38 instituições entre as 921 universidades mais ambientalmente sustentáveis do mundo. O levantamento, realizado em dezembro, é da Green Metric, que publicada anualmente o ranking UI GreenMetric World University.

Câmpus da Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Câmpus da Universidade Estadual de Maringá (UEM) – Foto: Divulgação
A Universidade de São Paulo (USP) é a instituição mais bem ranqueada do Brasil, figurando na primeira colocação na América Latina (entre 113 instituições) e em 13º posto no ranking mundial.

O Paraná tem quatro instituições no ranking, duas públicas e duas privadas: Universidade Positivo, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Veja o ranking:


GreenMetric World University 2020

Posição da instituição nos rankings da América Latina / Mundo
Com grifo as universidades do Paraná

1º/13º Universidade de São Paulo (USP) 
2º/30º Universidade Federal de Lavras (Ufla)
10º/100º Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
11º/101º Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas
19º/166º Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNI-RN)
22º/197º Universidade Positivo
24º/206º Universidade Federal de Viçosa (UFV)
27º/224º Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
28º/226º Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
29º/242º Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
31º/256º Centro Universitário Facens
35º/286º Universidade Federal de Itajubá (Unifei)
39º/317º Universidade Federal Fluminense (UFF)
40º/322º Universidade do Vale do Taquari – (Univates)
44º/357º Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
45º/362º Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
47º/378º Universidade do Vale do Itajaí (Univali)
57º/436º Serviço Nacional De Aprendizagem Comercial Departamento Nacional (Senac)
58º/439º Centro Universitário da Fundação Hermínio Ometto (FHO)
62º/456º Universidade de Passo Fundo (UPF)
66º/490º Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
67º/506º Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
70º/514º Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)
71º/515º Universidade Federal de Alfenas (Unifal)
72º/524º Universidade Federal de Santa Maria (UFMS)
73º/530º Universidade Estadual de Londrina (UEL)
74º/532º Universidade Federal do Ceará (UFC)
75º/537º Universidade Estadual de Maringá (UEM)
76º/541º Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
81º/576º Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
90º/657º Universidade de Sorocaba (Uniso)
95º/687º Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
99º/722º Universidade Estadual do Maranhão (Uema)
103º/761º Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa)
105º/773º Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)
106º/813º Instituição Toledo de Ensino (ITE)
108º/834º Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais
109º/855º Universidade do Estado do Amazonas (UEA)


De acordo com o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona, a presença da UEL e da UEM na lista mundial demonstra as boas práticas de sustentabilidade ambiental adotadas pelas duas universidades. 


"As universidades desenvolvem vários projetos voltados à conservação e preservação de ecossistemas, a fim de racionalizar o consumo de recursos naturais, para diversificar o uso das fontes, entre elas as de energia renovável", disse Aldo Bona, em entrevista à Agência Estadual de Notícias

Para dirigentes das universidades estaduais, a sustentabilidade ambiental é uma questão que começa a ser amplamente debatida na comunidade universitária. "A universidade está empenhada em promover a sustentabilidade em diferentes frentes, dentro e fora de seus campi, em atividades lideradas pelos departamentos acadêmicos e administrativos", diz o professor Ricardo Dias Silva, vice-reitor da UEM.

 

Sobre o ranking

Criado em 2010, pela Universidade da Indonésia (UI), o UI GreenMetric World University Ranking tem como objetivo mensurar ações que tornam os campi universitários mais sustentáveis, do ponto de vista ambiental, classificando as instituições, de acordo com as melhores práticas e programas desenvolvidos.

Os critérios de avaliação, o ranking considerou seis indicadores: 1) Areas verdes; 2) Consumo de energia; 3) Gestão de resíduos; 4) Tratamento de água; 5) Mobilidade e; 6) Educação ambiental. Esses aspectos têm impacto direto na redução da emissão de gases de efeito estufa e na diminuição do aquecimento global.




>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista