"Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade" George Orwell

terça-feira, 25 de agosto de 2020

Vereadores vão se reunir com Ulisses para discutir impasse das creches

25/08/2020_

Com CMM – A comissão criada pela Câmara de Maringá para mediar a negociação entre a administração e as escolas particulares de educação infantil viabilizará uma reunião entre os representantes das instituições de ensino com vagas compradas pelo município e o prefeito Ulisses Maia (PSD). Segundo os vereadores, o encontro deve ocorrer nos próximos dias.

Vereadores Professor Niero, Sidnei Telles, Hossokawa e Mário Verri. Café com Jornalista
Vereadores Professor Niero, Sidnei Telles, Hossokawa e Mário Verri – Foto: Marquinhos Oliveira/CMM
Empresários do ramo têm relatado problemas nos repasses durante a pandemia. Na semana passada, representantes das creches foram à Câmara pedir apoio aos vereadores para uma interlocução com a administração municipal. O pedido ocorreu após parte das escolas terem uma liminar negada pela Justiça em primeira instância, conforme revelou o site Maringá Post


A incursão dos empresários no Legislativo levou a Câmara a criar uma comissão para tratar do assunto. Apresentado oficialmente na sessão desta terça (25), o grupo de trabalho é formado pelos vereadores Mário Verri (PT), Professor Niero (MDB), Sidnei Telles (Avante) e Mário Hossokawa (PP).

"Estamos preparando a agenda para a reunião, que deve ocorrer na volta dele [prefeito]", explica Verri. Ulisses cumpre em casa, até o fim do mês, um período de distanciamento social de 14 dias, após sua esposa e filho testarem positivo para o novo coronavírus (covid-19).


Segundo a administração, enquanto algumas creches preferiram a via judicial, uma parte das escolas com vagas contratadas pelo município preferiu negociar. Essas aceitaram a proposta de reequilíbrio econômico-financeiro e já estão recebendo pelos custos fixos.



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

Artigo: Estranhamento

25/08/2020_

Leo Rosa de Andrade* – Cuidados com a lareira. Nem fogo demais, nem fogo de menos. Fogo suficiente para a chama perdurar ardente. Isso pede dedicação, com lenha certa em lugar e tempo certos: um estado de crepitação que deve ser musical; um tremeluzir que ajeita iluminação constante. O resultado fica muito carinhoso com os sentidos. Quando se namora à lareira, mais ainda se o vinho luxuria o ambiente, não se quer morrer, nem para se ir ao inferno, que é onde fica o céu. Quer-se, nem mais, nem menos do que se tem.

Lareira. Café com Jornalista

Estava ela no desfrute dessa situação: cuidava do fogo, servia o vinho, fazia os carinhos. Ele, refestelado em deleites. Não se falava muito, apenas se sentiam os prazeres de se estar sentindo prazeres. Ele resolve agradar: "Gosto de estar assim, gosto do teu colo; quero dormir aqui". Ela como que despertou: estava, mesmo, tudo muito bom para ele; percebeu que estava bom para ele por tempo demasiado, e intuiu que ele não se apercebia que por tempo demasiado não estava tão bom para ela.


Era prazeroso servir, agradar, aconchegar. Fazia-o mesmo para gosto seu. Mas havia uma falta. A palavra que a acudiu foi reciprocidade. Nos afetos, sim, está, não há contabilidade de equivalência; não se devolve o recebido com exata precisão. Mas esse não era o ponto. Aconteceu-lhe, simplesmente, a percepção: "Cara, ele me dispôs como seu interesse, para o seu conforto; ele supõe que meus afagos são direitos seus". Veio-lhe um desconforto físico e um certo estado de pressa. Era urgente sair dali.

Não se deixou tomar por qualquer ímpeto. Apreendeu a situação. Entendeu-se a si e a seu lugar em tudo o que ocorria. Não importava explicação; foi sentimento. Já, então, não havia gosto. Cuidaria de administrar a sua saída dos laços amorosos que recém-flagrara falecidos. Largou a taça, que vinho não se bebe por beber, mas que se o bebe em celebração. Desinteressou-se pelos cuidados com o fogo, que ainda não pedira lenha, mas logo solicitaria. Queria sentir a penumbra até a morte do calor.

Não se moveu, queria acumular desconforto. Queria guardar impressão ruim. Desejava que ao erguer-se se lhe viesse sensação de safar-se. Queria que tudo em seguida se lhe caísse mais agradável. Contrastava no depois o incômodo que já lhe causava o dar regaço ao sono dele com o alívio que adviria do recompor-se. Negou-se submissão à vontade de se ajeitar melhor no sofá; atrasou-a até desejá-la tanto que a imaginação já a saboreasse. Um sorriso irônico passeou por seus lábios.


Com medido vagar, desalojou-o do seu colo. Andou pela casa, voltou, conferiu que o fogo se consumira todo. Recolheu as taças servidas e não se reconheceu no vinho que elas continham. À sua frente um problema não armava solução: havia um sujeito deitado no seu sofá, desejava livrar-se dele. Sentia-o como um intruso; sabia-o seu convidado. Não se esqueceu de que houvera intimidade entre eles; até, talvez, amor. De repente, indiferença, apenas. Já não cabia uma palavra afetuosa. Nada.

Livro Orfeu & Violeta. Amazon. Luiz Fernando Cardoso. Café com Jornalista

Refletiu sobre como o passado se insinua. Pensou em como sempre não lhe fora difícil jogar cal nos acontecimentos da vida. Tomou de caneta e papel. Escreveu. Agradeceu ao homem a agradável presença e declarou ocupação na semana que se apresentava. Pediu que batesse a porta quando se fosse. Adiantou que dormiria até mais tarde. Deixou o bilhete à vista e saiu sem olhar atrás. Foi para o banho, depois se deitou aliviada. Refletiu, levantou-se, pôs-se em chaves. Cansada, descansada dormiu.

* Doutor em Direito pela UFSC, Léo Rosa de Andrade é escritor, professor, psicanalista e jornalista.




>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que os reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.