"Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade" George Orwell

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Maringá confirma 12 novos casos de covid-19, entre eles o do secretário municipal de Saúde

04/06/2020_

O secretário de Saúde de Maringá, Jair Biatto, foi diagnosticado com o novo coronavírus (covid-19). Médico intensivista formado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Biatto fez o teste nesta quinta (4) após apresentar sintomas leves, como coriza e dor de garganta.

Secretário Jair Biatto anuncia que está com covid-19. Café com Jornalista
Secretário Jair Biatto anunicou resultado do teste de covid-19 nas redes sociais
A notícia foi dada pelo próprio secretário, no início da tarde, nas redes sociais. "Vou ficar isolado por 14 dias, como é a recomendação da Organização Mundial da Saúde e também a nossa recomendação, na Secretaria Municipal de Saúde", disse.

Às 15h11, a Prefeitura de Maringá divulgou nota, informando que o secretário adotará protocolos de trabalho em home office durante esse período de 14 dias. "Todos os protocolos de enfrentamento da pandemia continuam a ser executados com o rigor necessário e o entendimento que a superação da crise sanitária demanda apoio e compreensão de todos", diz trecho da nota.

"Biatto testou positivo para covid-19. Ele esteve na linha de frente no enfrentamento contra o coronavírus e, a partir de agora, vai desempenhar suas funções em total isolamento. Desejamos melhoras ao secretário e agradecemos todo esforço para salvar vidas", disse o prefeito de Maringá, Ulisses Maia (PSD).
Os maringaenses reagiram à notícia nas redes sociais e em grupos de WhatsApp. Foram centenas as demonstrações de empatia, com votos de melhoras ao secretário e reconhecimento pelo serviço prestado. 

Uma minoria de imbecilizados brincou com a situação. Alguns questionaram se ele iria usar cloroquina, dizendo que o medicamento não estava "nos planos da Prefeitura". Outro sugeriu que ele seja tratado com paracetamol e dipirona. "Provando do próprio veneno", disse um dos críticos.

Em sua página no Facebook, o historiador da UEM Reginaldo Dias lembrou da dedicação de Biatto durante a pandemia e lamentou a postura de pessoas como as autoras dos comentários acima. "Há gente debatendo se ele, que teria vetado este medicamento, vai usar cloroquina ou não", comentou Dias. "Como diz um personagem do livro Os Irmãos Karamazov, há momentos em que a gente tem vontade de devolver o bilhete de ingresso", acrescentou.

Casos

Maringá registrou 12 novos casos da covid-19 nesta quinta, já computada a testagem positiva de Biatto. Com isso, a cidade tem agora 440 casos confirmados da doença, sendo que 243 pacientes já se recuperaram. Nove pessoas morreram.


Biatto não é a primeira liderança municipal a contrair a doença. Antes dele, foram contaminados pela covid-19 o ex-prefeito Silvio Barros, o deputado federal e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros e a ex-governadora Cida Borghetti – esta, em quadro assintomático. Os irmãos Barros precisaram ser internados na Santa Casa de Maringá.

Um dos casos mais emblemáticos de superação da covid-19 é o do economista José Eudes Januário. O ex-secretário municipal de Serviços Públicos passou 50 dias na UTI do Hospital Municipal de Maringá, tendo alta em 20 de maio.  



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.

Doações feitas para o Fundo Covid seguem sem transparência

04/06/2020_

Criado pela Câmara Municipal para receber doações destinadas ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus em Maringá, o Fundo Covid segue sem transparência. Essa situação fere tanto a lei municipal que instituiu o fundo quanto a Lei de Acesso à Informação – lei federal 12.527/2011

Aprovada pela Câmara em 31 de março, por unanimidade, e sancionada pelo prefeito Ulisses Maia (PSD) em abril, a lei do Fundo Covid previa doações nominais, permitindo ao público acompanhar quem fez as doações. Contudo, passados dois meses, ainda não é possível saber quem doou, quanto e quando doou.

Resposta ao requerimento Sidnei Telles. Café com Jornalista
Documento da administração com resposta ao requerimento do vereador Sidnei Telles sobre o Fundo Covid – Imagem: Reprodução
A falta de transparência levou o vereador Sidnei Telles (Avante) a solicitar informações ao município. Na sessão de 14 de maio, a Câmara aprovou requerimento questionando o prefeito se há possibilidade de disponibilizar, no site da Prefeitura de Maringá, dados específicos dos depósitos efetuados para o Fundo Covid. 

Nesta quinta (4), Telles recebeu um despacho da Prefeitura, assinado pelo controlador-geral do município, Antonio Luiz Lage, e pelo secretário de Gestão, Clovis Augusto Melo. Segundo o documento, o Portal da Transparência da Prefeitura disponibilizou, em 11 de maio, uma aba com informações sobre a pandemia, como licitações e contratos.

"Entretanto, para facilitar ainda mais ao cidadão o acompanhamento dos gastos com a pandemia, está em desenvolvimento pela empresa Elotech a criação de um novo grupo – 'Gastos com o Covid-19', onde serão disponibilizados todos os gastos de maneira agrupada", diz trecho do despacho.
A resposta do município a Telles não atende à reivindicação do requerimento aprovado pela Câmara, que cobra "campo específico que permita o acesso e visualização dos recursos depositados especificamente para o Fundo Covid-19".

A falta de divulgação de dados específicos do Fundo Covid também afronta o trecho da Lei de Acesso à Informação que determina "gestão transparente da informação, propiciando amplo acesso a ela e sua divulgação". Até o momento, não é possível dizer que exista "amplo acesso" na questão específica do fundo.

Na aba Covid-19 do Portal da Transparência, há informações sobre licitações, contratos/atas, publicações, auxílio alimentação covid-19 e dados epidemiológicos. O Café apurou (junto a doadores) que já foram feitos alguns repasses ao Fundo Covid, porém, não localizou na transparência dados referentes ao fundo.

Livro Orfeu & Violeta. Amazon. Luiz Fernando Cardoso. Café com Jornalista

Subsídios

A lista nominal dos doadores é de interesse público. Um dos motivos alegados pelos vereadores para a criação do Fundo Covid foi o repasse mensal do valor referente ao reajuste de 4,3% dos subsídios. A reposição da inflação, em plena pandemia, gerou críticas da sociedade – e a aprovação do fundo acabou acalmando os ânimos. 

Alguns vereadores chegaram a considerar a revogação do reajuste dos subsídios, mas foram desaconselhados a fazê-lo pela assessoria jurídica da Casa, sob o risco de os edis incorrerem em improbidade administrativa. A alternativa foi a criação do Fundo Covid para o repasse dos 4,3% por parte do prefeito, vice-prefeito e pelos 15 vereadores. 

O Café apurou que, se todos os citados acima fizerem as doações mensais, referentes ao período entre março e dezembro, o Fundo Covid arrecadará R$ 78 mil até o fim do ano. O valor poderia ser ainda maior se cargos comissionados, como os secretários municipais, também contribuíssem. 

Subsídios em Maringá após o reajuste. Café com Jornalista


Conforme já contou o Café, sem a transparência e sem a possibilidade de o público conferir quem contribuiu ou não, a lei que criou o Fundo Covid corre o risco de não pegar. Telles já apresentou um novo requerimento, que será votado na sessão da próxima terça (9), solicitando novamente informações sobre a publicação dos dados do Fundo Covid no site da Prefeitura. 



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.

Criada para barrar candidatura de políticos condenados, Lei da Ficha Limpa completa dez anos

04/06/2020_

Por Gilberto Costa, Agência Brasil – Esta quinta-feira (4) marca a passagem dos dez anos de assinatura da Lei Complementar nº 135. Mais conhecida como Lei da Ficha Limpa, ela proíbe a eleição a cargos públicos de candidatos condenados por decisão transitada em julgado ou por órgãos colegiados da Justiça.

Urna Eletrônica. Café com Jornalista
Sociedade civil vê avanço na Lei da Ficha Limpa, mas não suficiente para combater corrupção – Foto: Fábio Pozzebom/Agência Brasil
A lei foi criada com grande apoio popular, a partir da iniciativa de juristas, e chegou a somar 1,6 milhão de assinaturas. A proposta começou a ser articulada no fim da década de 1990 pela Comissão Brasileira de Justiça e Paz, ligada à Igreja Católica, e foi apresentada ao Congresso Nacional em setembro de 2009.


"Foi uma das poucas propostas de iniciativa popular que conseguiram se concretizar em uma legislação. O processo de coleta de assinaturas foi uma mobilização da sociedade civil bastante importante, em resposta aos escândalos de corrupção que iam acontecendo com a reiterada tentativa de pessoas condenadas em concorrer a cargos eletivos", lembra Guilherme France, coordenador de pesquisa da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional.

"Essa lei é de extrema importância. Ao longo dos anos tem impedido que vários candidatos ou políticos avancem na carreira e consigam obter mandato, seja qual for o cargo público", afirma Gil Castelo Branco, secretário-geral do Contas Abertas, site especializado que acompanha a aplicação de recursos públicos.

Desde a Constituição

O diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Carlos Queiroz, acompanhou a tramitação da lei no Congresso Nacional, aprovada por unanimidade no Senado. Ele lembra que essa lei era esperada desde a promulgação da Constituição Federal (1988) e considera que a "Ficha Limpa vem cumprindo a sua missão" e tem funcionado como "bloqueio" para candidatos com condenações na área cível ou criminal.


Manoel Galdino, diretor executivo da Transparência Brasil, concorda que a lei tem sido "efetiva em barrar candidatos", mas afirma que "ainda há certa impunidade" a crimes praticados por políticos e gestores públicos por "pouca fiscalização" do uso de recursos públicos, especialmente nos níveis estaduais e municipais.

O baixo acompanhamento é grave, em sua opinião, porque ainda "existe muita discricionaridade por parte dos gestores do Poder Executivo de como usar recursos públicos, que podem direcionar para favorecer empresários e desviar".

Galdino entende que a diminuição da corrupção também depende da presença da imprensa, da atuação da sociedade civil organizada e da população. "O eleitor acaba não recompensando adequadamente os gestores que são honestos e competentes", acrescenta.


Para Castelo Branco, do Contas Abertas, "uma lei só não faz verão" e "o ideal é que o combate à corrupção fosse política de Estado, envolvendo os Três Poderes". Ele espera a aprovação de um conjunto de leis e a adoção das 70 medidas de combate à corrupção propostas ao Congresso Nacional antes da eleição de 2018.

Em sua avaliação, "nos últimos anos houve retrocesso no combate à corrupção", e outras leis podem desestimular delitos e desvio de dinheiro público se houver garantia de punição. "A corrupção é uma doença social. O corrupto é um sociopata. Ele não tem remorsos, mas ele faz análise de riscos".

Percepção da corrupção

"O correto seria estender a ficha limpa para todas as instituições que recebam recurso público de algum modo", acrescenta Antônio Carlos Queiroz (Diap), que há mais de 30 anos acompanha o dia a dia do Congresso. Ele lamenta, por exemplo, o fato de ter "gente com condenação judicial exercendo liderança partidária fora do Parlamento".


"Chama a atenção o fato de figuras com comprovado envolvimento de corrupção continuarem desempenhando papéis-chave dentro de partidos políticos”, diz Guilherme de France, da Transparência Internacional. “Isso demonstra que os partidos políticos ainda estão longe de se adequar a normas de transparência, probidade e democracia".

France prevê que impunidade e retrocesso no combate a ilegalidades praticadas por políticos podem piorar a imagem que os brasileiros têm do próprio país. A Transparência Internacional mede em 180 países o Índice de Percepção da Corrupção (IPC). Nos últimos cinco anos, o Brasil cai seguidamente no índice. Em 2019, o Brasil ocupou a 106ª posição no grupo de países avaliados.




>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.