"Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade" George Orwell

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Cafeinado: Maringá vai reabrir indústrias em meio ao aumento das mortes pela covid-19. Não é precipitado?

08/04/2020

O abre da coluna desta quarta (8) seria o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), porém, um assunto local roubou a cena no início da noite. Um dos municípios mais exemplares do país na prevenção à covid-19, Maringá decidiu reduzir ainda mais as medidas restritivas adotadas desde o decreto que fechou o comércio, em 20 de março.

Em uma longa reunião do prefeito Ulisses Maia (PSD) com vereadores e lideranças da indústria e do comércio, na Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), decidiu-se pela reabertura da indústria e retomada da construção civil a partir de segunda-feira (13). Veja os detalhes na matéria publicada há pouco no Café

Infográfico da RPC revela as regiões de Maringá com mais casos da covid-19: são 11 só no centro
A decisão tomada na Acim tem um lado positivo e outro negativo. Positivo: a reabertura foi discutida com base em dois relatórios técnicos, um deles assinado por consultores médicos e infectologistas, tendo levado em conta a capacidade de leitos da cidade. Negativo: a decisão pela flexibilização da quarentena ocorre no dia em que o Ministério da Saúde anunciou que o Brasil chegou a 800 mortes pela doença.

Ainda estamos longe do pico de contágio. Ou seja, baseado nas ocorrências de países onde o novo coronavírus chegou primeiro, sabemos que a situação vai piorar muito (muito mesmo) antes de melhorar. Espero, realmente, que essa não tenha sido uma medida precipitada das autoridades locais. Do contrário, os esforços do isolamento social, até o momento, poderão ter sido em vão.


Pressão
A flexibilização da quarentena ocorre após fortes pressões do empresariado local contra o isolamento social adotado pelo governo Ulisses. Reportagem de Victor Simião para a CBN mostra que, três semanas após anunciar a primeira medida, Ulisses se via em meio a uma crise entre os três poderes. Vereadores cobravam mais diálogo e abertura gradativa, enquanto o Judiciário deferia liminares para a abertura de segmentos do comércio.

Alerta
"É suicídio fazer isso agora. A contaminação vai assolar nossa cidade", diz a Ana Lúcia Rodrigues, coordenadora do Observatório das Metrópoles da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Segundo ela, o observatório deve publicar, nos próximos dias, um modelo estatístico revelando o potencial de contágio sem o isolamento social. E se o alerta estiver correto? E se a flexibilização saturar a capacidade hospitalar? Quem vai assumir a culpa? São perguntas pertinentes neste momento.

Balanço
Maringá permanece com dois óbitos pelo novo coronavírus. Segundo boletim da Prefeitura, divulgado nesta quarta, agora são 42 casos positivos na cidade. Os suspeitos em acompanhamento, por terem apresentado algum sintoma da covid-19, são 351. Destes, 30 estão internados. Um deles, infelizmente, é o ex-secretário municipal Eudes Januário, que segue na UTI do Hospital Municipal.

Meme




Bronca I
Deu o que falar a abordagem da Guarda Municipal (GM) na prisão, nesta quarta (8), de um dono de lava-jato que descumpriu o decreto municipal que fechou o comércio. Vídeo feito por populares mostra uso de força desproporcional contra o detido, que chegou a desmaiar num mata-leão. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota, cobrando que o caso seja devidamente apurado. O homem foi solto após pagar R$ 1.000 de fiança. Aliás, a fiança não foi salgada demais para um dono de lava-jato?

Bronca II
Ulisses confirmou um áudio seu, vazado à tarde, reafirmando ter determinado a apuração dos fatos e o afastamento dos guardas envolvidos. "Não estou pré-julgando os guardas, mas não admito e não compactuo com nenhum tipo de violência. Tenho certeza que tudo será equacionado. Falei pessoalmente com familiares da pessoa que foi agredida", disse o prefeito, em vídeo divulgado nas redes sociais. GMs não gostaram.

Barriga
Leitores questionaram por que o Café não publicou matéria sobre o episódio, e foram informados de que este blog não cobre a área policial. Há dezenas de outros blogs especializados nessa área. Para os mais curiosos, o Portal do Rigon deu matéria falando em barrigada do noticiário policial. No jornalismo, "barriga" é a notícia mal apurada, com erros (não devendo ser confundida com fake news, que é a informação falsa).

Áudio vazado
Outro político com áudio vazado, nesta quarta (8), foi o presidente da Câmara de Maringá, Mário Hossokawa (PP), que confirmou a autoria. "Rapaz do céu, a situação vai piorar a partir de amanhã. O prefeito não pode ficar dando sopa aí na rua, porque ele corre riscos. Se deixar ele [Ulisses] resolver, do jeito que está resolvendo, aí sim vai virar calamidade de verdade", disse. Pelo visto, o áudio vazou de um grupo de vereadores no WhatsApp.

Hossokawa
O vereador explicou, em nota, que se referia a um temor generalizado de que a pandemia do novo coronavírus abale profundamente a economia local. "Infelizmente, tem-se constatado comportamento unilateral por parte do Executivo, com decretos pouco razoáveis e nem sempre assertivos. Prova disso são as liminares coletivas expedidas pelo TJPR que, dia sim, dia não, derrubam imposições decretadas anteriormente pelo prefeito", diz trecho da nota.

Pronunciamento
Para quem não assistiu, este foi o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, feito em cadeia nacional de rádio e TV na noite desta quarta (8).


Resumo I
Bolsonaro tornou a falar na cloroquina no tratamento à covid-19, falou que é preciso combater o vírus e o desemprego e, mais discretamente que nos pronunciamentos anteriores, defendeu o retorno ao trabalho. "O brasileiro quer voltar a trabalhar. Essa foi minha orientação aos ministros, observadas as normas do Ministério da Saúde". Notem que, depois da frustrada tentativa de demitir o ministro Luiz Henrique Mandetta, Bolsonaro fez uma atípica menção às "normas" do ministério.

Resumo II
O presidente também citou medidas adotadas pelo governo federal, como o início do pagamento dos R$ 600 de auxílio emergencial tão aguardado pelos trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores; e da isenção de energia elétrica para as famílias mais carentes. Mais comedido no discurso, Bolsonaro disse respeitar a autonomia dos prefeitos e governadores sobre medidas adotadas no combate à covid-19.

Supremo
Na fala sobre respeitar prefeitos e governadores, Bolsonaro não mencionou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbe o presidente de decretar o fim da quarentena no país. A decisão liminar do ministro Alexandre de Morais, desta quarta (8), acolheu um pedido da OAB para que fosse assegurado aos governos dos Estados e municípios os decretos de quarentenas, conforme as necessidades de cada lugar.

Nostalgia
Sem Palmeiras na Libertadores, sem NBA, sem Fórmula 1 e até mesmo sem Olimpíadas – pra você ver que a pandemia não é só uma "gripezinha". O jeito, então, é matar a saudade dos esportes favoritos revendo vídeos no YouTube. Escolhi para os leitores uma seleção das seis melhores corridas do eterno Ayrton Senna. Quem tem 35 anos ou mais vai curtir, com certeza. Nostalgia pura!





>>> Saiba mais sobre o colunista
>>> Veja os destaques dos demais colunistas


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



Com melhor cenário de covid-19 entre as grandes cidades do PR, Maringá reabre indústrias a partir de segunda

08/04/2020

Reunião na Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), encerrada às 19 horas desta quarta (8), traçou estratégias para a retomada gradual das atividades econômicas na cidade. Participaram o prefeito Ulisses Maia (PSD) e equipe, vereadores e lideranças do comércio e da indústria maringaense.

Reunião na Acim, nesta quarta (8), discutiu a reabertura gradativa do comércio e indústria – Foto: Divulgação/PMM
Uma das definições foi a reabertura das indústrias e a retomada da construção civil a partir de segunda-feira (13). Segmentos do comércio também abrirão, aos poucos. "Estamos controlando a oferta de leitos. Então, será uma retomada gradual, a começar pela indústria no dia 13", disse Biatto, em entrevista à RPC (Globo), logo após a reunião.

Maringá vai reabrir indústrias em meio à pandemia. Não é precipitado?

Na reunião, segundo participantes, foram apresentados dois relatórios técnicos, um feito por consultores, médicos e infectologistas; o outro apresentado pelo secretário municipal de Saúde, Jair Biatto, um pouco mais conservador, pró-isolamento social. Ambos foram baseados em recomendações do Ministério da Saúde.

☕ Veja as 12 matérias do Café com Jornalista mais lidas em março

De acordo com o vereador Sidnei Telles (Avante), o relatório dos infectologistas reconheceu que as ações de isolamento adotadas pelo governo municipal – que fechou o comércio em 20 de março, como medida preventiva contra a covid-19 – foram importantes. "Maringá tem os melhores índices entre as cidades de grande porte do Paraná. É a única, segundo o relatório, que preenche requisitos do Ministério da Saúde para essa abertura gradual", disse Telles.


Tanto Biatto quanto Ulisses afirmam que cada reabertura tem seu impacto, que necessita ser avaliado com critérios técnicos. "Todas as decisões são técnicas, baseadas em estudos científicos e após muito diálogo com diversos setores da sociedade organizada", comentou Ulisses. "Será uma volta planejada e segura para preservar vidas", acrescentou.

Liminares

No entanto, histórico recente revela que nem todas as decisões foram técnicas. A reabertura de alguns segmentos ocorreu após determinações judiciais pautadas mais nas relações de mercado, como o critério da isonomia, do que argumentos científicos. Foi o caso da decisão que reabriu padarias, açougues e peixarias (relembre aqui).

 Nove vereadores trocam de partido na janela eleitoral; Ulisses se filia ao PSD

Também em decisão liminar, expedida nesta terça (7), a Justiça liberou o comércio varejista de ferragens, tintas, madeiras, materiais elétricos, hidráulicos etc. Uma flexibilização na quarentena, mais uma, que partiu de ação judicial do sindicato patronal, e não de uma decisão técnica da Prefeitura de Maringá.

Outra flexibilização da quarentena, no entanto, partiu do governo Ulisses sem ser motivada por decisão judicial. Foi a do Decreto 502/2020 que liberou, a partir desta terça (7), o funcionamento de oficinas mecânicas, auto socorro, borracharias, delivery de autopeças, clínicas e consultórios médicos, clínicas veterinárias e pets shops. Veja mais detalhes aqui.

Boletim

Maringá permanece com dois óbitos pelo novo coronavírus. Segundo boletim da Prefeitura, divulgado nesta quarta (8), agora são 42 casos positivos na cidade. Os suspeitos em acompanhamento, por terem apresentado algum sintoma da covid-19, são 351. Destes, 30 estão internados.

☕ Não se combate a pandemia de coronavírus com espírito de porco
☕ Entrevista – Maringaense na Itália: "Não há lugar para todos nos hospitais"
☕ Após pronunciamento, Bolsonaro dá passo gigantesco rumo ao impeachment




>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



Artigo: Coronavírus, inteligência emocional, convivência dentro de casa

08/04/2020

Por Rubem Almeida Mariano

Começo a ouvir dos meus clientes, nos atendimentos psicológicos on-line, que essa situação toda já está incomodando e muito, principalmente esta aqui: "Ficar dentro casa!". "No começo, era só alegria, mas depois, tudo foi mudando", afirmam muitos deles. A verdade é uma só: as pessoas começam a ficar cansadas e, por isso, ficam também estressadas e, assim, irritadas e aborrecidas facilmente com uma outra pessoa, seja ela quem for.

No isolamento, é importante ficar atento às mensagens não-verbais – Foto: Freepik
Essa situação que vivemos hoje, comparo: a um ato de sobreviver na selva. Depois de alguns dias, tudo começa a incomodar, principalmente as roupas e os sapatos molhados. Ninguém merece!

Não tenho informações mais precisas sobre como as pessoas viviam ou se comportavam ou, ainda, as consequências que ocorreram com elas nas grandes crises sanitárias que já ocorreram no mundo. Mas tenho algumas informações importantes, vejamos:

1. A peste bubônica ou peste negra, que matou mais de um terço (1/3) da população na Europa, no século XIV. O contágio se dava através de pulgas contaminadas pela bactéria Yersinia pestis;

2. A gripe espanhola, que até hoje não se sabe onde começou o contágio. Esse nome se dá porque foi na Espanha que ocorreram as grandes campanhas de combate à gripe provocada pelo vírus influenza, que por volta dos anos 1918 e 1919 matou mais de 50 milhões de pessoas no mundo;

3. O vírus ebola, que varreu o terceiro maior continente do mundo, a África, em 2014. A cada dez contaminados, nove morriam;


4. Hoje, estamos em pleno século XXI, em 2020, enfrentando mais uma pandemia mundial. Agora, o vírus Sars-Cov-2, conhecido como novo coronavírus, tem causado a doença respiratória covid-19, causando a morte de dezenas de milhares de pessoas ao redor do mundo.


Portanto, assim como no passado, enquanto pesquisadores e cientistas não conseguiam vacina ou medicamentos, hoje, nós temos que desenvolver comportamentos preventivos fundamentais, como: lavar as mãos e fazer adequadamente a nossa higiene pessoal em nossas mãos, boca e olhos.

Contudo, outra ação preventiva está sendo de fundamental é o isolamento social para esse enfrentamento: “ficar em casa!” Com isso, estamos sendo obrigados a ficar restritos e a conviver com os nossos familiares e pessoas mais próximas de nós. Assim, aumenta os níveis de contato físico e emocional, pois, com o passar dos dias, compartilhando um mesmo tempo e espaço com outras pessoas, dentro de casa, torna-se importante saber conviver.

Nesse sentido, saber ler as mensagens não-verbais das pessoas é imprescindível para uma boa convivência. Afinal, o corpo fala! Infelizmente, nem sempre ocorre conseguimos ler as mensagens não verbais, pois há pessoas que não conseguem compreender a linguagem do corpo, ou seja, a comunicação não-verbal.

Isso mesmo, há pessoas que têm dissemia. Você sabe o que é dissemia? É um termo usado pelos psicólogos, por exemplo, para nomear o problema de aprendizagem no campo das mensagens não-verbais. É quando uma pessoa não consegue ler ou interpretar as expressões e gestões comportamentais da outra pessoa que conversa ou convive.

Importante registrar que a maioria de nós não apresenta esse tipo de problema. Pois interpreta bem as expressões e os gestos das outras pessoas. Contudo, quando precisamos dividir o mesmo espaço e tempo com outra pessoa todo instante, dentro de casa, por um tempo muito maior do que estávamos costumados. As coisas começas a ficar difíceis.

Portanto, é muito importante e válido afinar nossas habilidades e ficar atento às mensagens não-verbais expressadas pelas pessoas que convivemos. Portanto, vamos intensificar essa habilidade social de prestar atenção:

1. Nos olhares;
2. Nas expressões faceais e corporais;
3. Nos pequenos gestos com as mãos, os ombros, a cabeça etc.

Saber ler as expressões e os gestos entra, por sua vez, no grupo de sutilezas sociais que ajudam muito para uma boa convivência, principalmente neste momento. Por exemplo: às vezes, um desvio do olhar, em sua direção, indica que devemos deixar aquele assunto para depois. É um indicador importante da pessoa com quem você está conversando. É como se ela estivesse dizendo com as suas palavras: “Podemos conversa depois ou mais tarde?”

Importantíssimo: além de ajudar você a lidar com as emoções daqueles com quem você convive, vai evitar alagamentos emocionais, ou seja, explosões emocionais que contribuem para o aumento da tensão e do clima do ambiente onde você se encontra. E você sabe, que todo espaço maior, na hora que as coisas fervem, é fundamental para contornar uma situação; o que não é o caso, quando estamos dentro de uma casa, em que o espaço físico é bem restrito, em média, entre 50 m² e 150 m², você não acha?

Por isso, prestar muita atenção às mensagens não-verbais expressadas pelas pessoas, nossos interlocutores, além de nos ajudar a conviver, alimentam a nossa saúde mental e emocional.
Fique com essa dica e até o próximo artigo.


Rubem Mariano
* Teólogo, filósofo e psicólogo (CRP - 08/14994) e mestre em Ciências da Religião, Mariano é autor dos livros "Alcoolismo e Pastoral" (Editora Voz) e "Aconselhamento Cristão" (Editora Unicesumar). Atualmente, cursa doutorado em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Contato: (44) 98837-6156 (whatsapp business).



Outros artigos

☕ Abraçar ou não abraçar Suzy: o que faria Jesus?
☕ Reportagem de Drauzio para o Fantástico cometeu três erros crassos


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que os reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.




Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.

Sindicato fiscaliza uso de EPIs nas empresas de transporte de cargas

07/04/2020

O Sindicato dos Motoristas Rodoviários de Maringá (Sinttromar) tem percorrido a base, diariamente, para fiscalizar se as empresas tem fornecido corretamente os equipamentos de proteção individual (EPIs) aos trabalhadores. As ações incluem não apenas o transporte coletivo, mas também as empresas do transporte de cargas.

Dirigente Bandeirante (à esq.) em fiscalização na empresa G10 – Foto: Divulgação/Sinttromar 
Nesta segunda (6), em uma dessas visitas á base, os dirigentes José Carlos Eugênio (Bagre) e José Ilson Francisco (Bandeirante) estiveram na G10, onde foi constatado que os EPIs têm sido fornecido aos trabalhadores, conforme a necessidade de cada função. Não faltam máscaras nem álcool em gel.

☕ Sinttromar e TCCC assinam acordo sobre EPIs para o transporte coletivo
☕ Novo decreto flexibiliza a quarentena em Maringá: veja o que abre

Nas visitas, diz o dirigente Emerson Viana Silva, o Sinttromar tem checado se, além dos EPIs, as empresas têm dado aos trabalhadores orientações de prevenção ao novo coronavírus (covid-19). A doença é séria, não é apenas “uma gripezinha” como dizem os irresponsáveis, e todos os cuidados precisam ser tomados.

“Caso alguém não tenha recebido esses equipamentos, entre em contato nos nossos telefones ou via Messenger da página do Sinttromar no Facebook”, comenta Emerson. O telefone do Sinttromar é o 44 3226-4144. Também é possível contatar os dirigentes sindicais diretamente pelas redes sociais.

☕ Veja as 12 matérias do Café com Jornalista mais lidas em março
 Nove vereadores trocam de partido na janela eleitoral; Ulisses se filia ao PSD




>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)