terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Vereador de Cianorte Dadá é preso em flagrante por suspeita de 'rachadinha'

01/12/2020_

Café com Jornalista – O vereador de Cianorte Adailson Carlos Ignacio da Costa, o Dadá (Podemos), foi preso em flagrante, na segunda (30), sob suspeita de participar de um esquema de "rachadinha". O edil é alvo de investigação do Ministério Público do Paraná (MP-PR).

Dadá foi reeleito vereador em Cianorte – Imagem: DivulgaCand/TSE
Na data da prisão, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Dadá, incluindo o gabinete do parlamentar. O MP-PR apura na investigação o repasse de parte do salário de um assessor para o vereador.

Ao portal G1 e à RPC, o MP-PR informou que o assessor recebe R$ 4.225, ficando com um terço desse valor e repassando o restante ao vereador. Parte do dinheiro foi encontrado na operação, segundo o MP.

O advogado de Dadá disse que seu cliente é inocente, que não há elementos para a prisão em flagrante e que não teve acesso a detalhes do procedimento, que é sigiloso. A Câmara de Cianorte disse estar colaborando com as autoridades e, em nota, confirmou o cumprimento do mandado de busca e apreensão na sede do Legislativo.


Nas eleições deste ano, os cianortenses reconduziram Dadá ao cargo. Ele foi o sétimo candidato a vereador mais votado na cidade, com 835 votos. Cianorte tem dez vereadores.

Rachadinha

Quem acompanha o meio político não se surpreende mais com os casos de "rachadinha", que já foram mais comuns, mas que continuam ocorrendo. Trata-se de um crime difícil de comprovar, pois depende basicamente de denúncia feita por assessor que teve de repassar parte do salário ao político eleito.

Em Maringá, por exemplo, uma ex-vereadora foi condenada por se apropriar indevidamente de parte do salário de uma assessora parlamentar. Além de ter de devolver o dinheiro ao cofres públicos, ela ficou inelegível.


Caso Queiroz

No país, o caso mais notório envolve o famoso (e por bastante tempo sumido) Fabrício Queiroz, que foi assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) quando este ainda era deputado estadual. Queiroz admitiu, recentemente, a existência de um esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), mas disse ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) que Flávio é inocente. 


Para o MP-RJ, não parece ser crível a alegação de que o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desconhecia um esquema ilegal que arrecadou milhões de reais em repasses de assessores da Alerj – leia mais aqui

Flávio Bolsonaro foi denunciado, no início de novembro, por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa em função do chamado Caso Queiroz. Os crimes teriam ocorrido entre os anos 2007 e 2018, ano em que Flávio passou a ser investigado pelo MP-RJ. O ex-deputado estadual e hoje senador alega não ter cometido qualquer irregularidade. 



>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista