domingo, 13 de dezembro de 2020

2020 chega ao fim com conjunção de Júpiter e Saturno, eclipse solar e chuva de meteoros

13/12/2020_

Café com Jornalista – O interminável ano de 2020, tristemente marcado pela maior crise sanitária e econômica em cem anos, chega ao fim com motivos para comemorar, ao menos no campo da astronomia.

Observação das Gemínidas em 2013 no hemisfério norte. Café com Jornalista
Observação das Gemínidas em 2013 no hemisfério norte – Foto: Wikipédia
De acordo com doutor em Física e professor do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), Marcelo Schappo, em entrevista à Agência Brasil, o fim de dezembro será marcado pela conjunção dos dois planetas gigantes, por um eclipse solar e por uma aguardada chuva de meteoros. 

Para os amantes da astronomia – profissionais ou amadores –, a recomendação é "montar guarda" e olhar para o céu.


Chuva de meteoros

Schappo diz que a chuva de meteoros de Geminídeas é uma das mais esperadas do ano, por conta do espetáculo visual que ela proporcionará. Conhecido popularmente como "estrelas cadentes", o fenômeno ocorre quando fragmentos de rochas dos primórdios do Sistema Solar são incinerados ao entrarem na atmosfera da Terra em alta velocidade. 

''A ideia é se afastar completamente das luzes da cidade. Daí, fique de olho no céu e monte guarda. Quando mais aberto estiver o céu, mais chance de observar os meteoros, que são rastros de luz de curta duração que vão pipocando pelo céu'', orienta o físico.
A chuva de meteoros poderá ser vista por várias noites, a começar neste domingo (13). Não há um horário exato da noite em que o espetáculo ocorre, então, a dica é "montar guarda" para a observação das Geminídeas.


Eclipse

Na segunda (14), será a vez de um importante eclipse solar, fenômeno que consuste no alinhamento astronômico no qual a Lua fica entre o Sol e a Terra. Melhor para partes da Argentina e do Chile, onde o eclipse será total. 

No Brasil, o eclipse será parcial, sendo melhor observado na região Sul, com o encobrimento do Sol entre 40% e 60%. O professor do IFSC alerta para cuidados na hora de observar o fenômeno.

"Muito importante que não se faça a olho nu. A solução é comprar um vidro de soldador, que pode ser encontrado em lojas de material de construção, com tonalidade 14. Ele oferece proteção segura. Jamais use chapas de raio-x ou vidros fumês", adverte Schappo.

Gigantes gasosos

E por fim, e não menos importante para os astrônomos, está o raro alinhamento dos planetas Júpiter e Saturno com a Terra, com seu auge previsto para 21 de dezembro. O fenômeno é considerado relativamente raro porque ocorre a cada 20 anos.

Este ano, diz Schappo, a proximidade entre os planetas, considerada a maior em séculos, torna o fenômeno ainda mais aguardado. Por esses dias, a aproximação dos planetas já pode ser notada ao longo do mês.

O físico explica que o fenômeno pode ser visto no horizonte oeste, após o pôr do Sol. Dois pontos luminosos, que parecem estrelas, são na verdade Júpiter e Saturno. "Noite após noite estarão mais próximos um do outro", explica o professor.


Livro Orfeu & Violeta. Amazon. Luiz Fernando Cardoso. Café com Jornalista

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista