sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Entrevista – João Oliveira: 'Maradona é mais que um ídolo do esporte, é parte da mitologia nacional'

27/11/2020_

Café com Jornalista – Após um velório caótico na Casa Rosada, em Buenos Aires, o corpo do ídolo Diego Armando Maradona foi sepultado no cemitério Jardim da Paz, a 35 km da capital argentina, no fim da tarde de quinta (26). Foi uma despedida como poucas vezes vista na Argentina, comparada até mesmo à de Evita Perón.

O publicitário João Oliveira e o ídolo Maradona
Quem viveu de perto essa comoção nacional dos argentinos foi o publicitário paranaense João Oliveira, que ficou impressionado com a repercussão da morte do ídolo. Vivendo há oito anos em Buenos Aires, Oliveira é natural de Pato Branco (PR), onde se formou em Publicidade e Propaganda pela Faculdade de Pato Branco (Fadep); e já morou em Maringá, tendo trabalhado nas agências AnimaLamps, Lettera e Nação.


***

Café com Jornalista – Como você sou be da morte de Maradona? Onde você estava?
João Oliveira – Soube pelo Twitter, no meio de uma aula de inglês.

Como seus amigos e contatos argentinos reagiram à notícia?
A primeira reação de todos foi de não acreditar. Mesmo sabendo que ele vinha recuperando de uma cirurgia, que já lutava com problemas de saúde há muitos anos, ninguém esperava que acontecesse. Como se o Maradona realmente fosse imortal.

E a imprensa local, como tratou do assunto?
A imprensa argentina é bastante sensacionalista, em geral. Então, além das manchetes e capas mais respeitosas em homenagem ao ídolo, outros aproveitaram para polemizar sobre por que tiraram ele da clínica onde estava sendo tratado e o levaram para uma casa em Tigre. Até mesmo sua herança já virou notícia.

Pela sua vivência no país, qual o peso de Maradona para os argentinos?
Não tem comparação com nada no Brasil. Um amigo argentino comparou a morte do Maradona com a da Evita. Talvez o mais parecido no Brasil tenha sido o Senna. Maradona é muito mais do que um ídolo do esporte. É parte da mitologia nacional.


>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

0 comentário(s):

Postar um comentário

Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista