sábado, 8 de agosto de 2020

Artigo: Diário 'Ficando em Casa' e os 100 mil mortos pela covid-19

08/08/2020_

Tania Tait* – Quando comecei a escrever o diário "Ficando em Casa", durante o isolamento de 20 de março a 20 de abril, pensava em ajudar as pessoas a realizar atividades para superar o tempo de isolamento distante de familiares e amigos. O sentimento que as pessoas tinham, e eu me incluo, era de que seria algo passageiro, pois a experiência do que aconteceu na Europa iria balizar as decisões do nosso governo para conter a transmissão do vírus.

Brasil supera as 100 mil mortes pela covid-19. Café com Jornalista
O Brasil superou, neste sábado (8), as 100 mil mortes pela covid-19

Naquele período, realizamos, também, muitas orações pelo nosso amigo José Eudes, um dosprimeiros casos de covid-19 em Maringá que, felizmente, recuperou-se após permanecer 50 dias na UTI.


Entre as várias atividades na quarentena, aprendi a fazer o tradicional macarrão com sardinha familiar com a minha mãe, que tem 81 anos de idade e permanecia isolada em casa.


 Pereira é o 4º suplente a tomar posse após morte de vereador


Pela ONG Maria do Ingá, entidade que atuo, adiamos nossos eventos por um mês e, depois, finalmente os cancelamos. Assim, passamos a utilizar com mais força as redes sociais para realizar o trabalho de formação e informação na área de direitos da mulher.


Portanto, o nosso sentimento era de esperança, que o isolamento seria apenas por um tempo, e logo tudo voltaria ao normal. Pra se ter uma ideia, em 26 de março, o Brasil tinha 2.915 casos e 77 mortes (dados o UOL). Havia muita esperança nos ares do nosso Brasil. De repente, a esperança de voltar ao normal foi se esvaindo.


Infelizmente, hoje, 8 de agosto, praticamente seis meses depois, temos quase 3 milhões de casos e 100 mil mortes. Os nossos governos estaduais e municipais, pressionados pelo empresariado, por parte da população e pelos seus prováveis financiadores de campanha eleitoral, estão mais preocupados com as Eleições 2020 do que com a crise sanitária e econômica e política que estamos vivendo.


 Relembre os decretos municipais de Maringá na pandemia


Isso significa que nada aprendemos com a experiência de outros países que tiveram seus picos de contaminação e mortes antes de nós. Liderados por um presidente negacionista, que considerava a covid-19 uma "gripezinha", fomos nocauteados pela troca de ministros da saúde e pela nomeação de um ministro militar de reserva, que nada entende de saúde, mas que segue rigorosamente as ordens de seu capitão.


Ao ler as notícias de que 100 mil brasileiros perderam a vida pela covid-19 e que essas mortes poderiam ser evitadas, me vem à mente que não são apenas 100 mil pessoas afetadas. Se em cada círculo familiar existe em média dez pessoas (avós, irmãos, tios, primos etc), ao chegar a 100 mil mortes, teremos 1 milhão de pessoas atingidas física ou emocionalmente pela doença.


Sabemos que nossas famílias, em geral, possuem  mais que dez pessoas, portanto, além dos quase três milhões de contaminados e 100 mil mortos, pode-se chegar à conta de que a covid-19 afeta diretamente quase 10 milhões de pessoas. Posso me equivocar nessas contas, mas ando assustada com a falta de controle da pandemia e a abertura de, praticamente, todos os serviços nas cidades.


 Movimento por bancada feminina na Câmara reúne 62 pré-candidatas


Mais assustador e aterrador é ver a defesa de retorno às aulas, levando nossas crianças, adolescentes, profissionais da educação e familiares a uma exposição desnecessária. Certamente, o ano letivo pode esperar. Ao contrário do que prega o presidente da República insensível e genocida, as vidas importam mais que a economia.


A economia pode ser recuperada com programas de desenvolvimento econômico e geração de emprego e renda, que não vimos este governo realizar nada nesse sentido.


Chegamos ao ponto de termos três crises caminhando juntas: a política, a econômica e a sanitária. As três, a meu ver, são resultado da subserviência do governo brasileiro aos interesses do capital internacional e dos Estados Unidos; de um governo negacionista e de um presidente que tem a família dele em primeiro plano. Nesse último item, basta verificar as manobras judiciais para camuflar o envolvimento da família com a milícia carioca.


Livro Orfeu & Violeta. Amazon. Luiz Fernando Cardoso. Café com Jornalista

Nos demais itens, me vem à mente as imagens do presidente batendo continência para a bandeira dos EUA e mostrando uma caixa de cloroquina para uma ema no pátio do palácio presidencial. Eu pensava que era montagem de tão absurdo que parecia. Mas, loucuras à parte ou encenação para chamar a atenção, é tudo verdade.


Aconteceu tanta coisa absurda em nosso Brasil, nestes seis meses, que fica até fácil acreditar em ozônio introduzido para curar a covid-19 ou na creolina para manter o distanciamento entre as pessoas. O que fica mesmo é o sentimento profundo de tristeza pelas milhares de vidas perdidas. E essa tristeza nem a inocência do meu diário "Ficando em Casa" nem seu objetivo de auxiliar as pessoas conseguem diminuir.


Diante disso tudo, resta-nos: tomar todos os cuidados, usar máscara, álcool em gel e manter o distanciamento social. Também, podemos incluir nessa lista: protestarmos contra os desmandos deste governo genocida para garantir nossa democracia e as nossas vidas.



* Coordenadora licenciada da ONG Maria do Ingá Direitos da Mulher, Tania Tait é escritora e professora aposentada da UEM, com doutorado em Engenharia de Produção pela UFSC e pós-doutorado em História pela UEM. Seu mais recente livro é "As Mulheres na Luta Política" (2020).
 Leia outros artigos no Café com Jornalista



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que os reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 
Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário