quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Escolas com vagas compradas pela Prefeitura buscam apoio da Câmara para resolver impasse

19/08/2020_

Da CMM – Na sessão ordinária desta terça-feira (18), os vereadores de Maringá acompanharam o desabafo de representantes de escolas infantis particulares na tribuna da Casa. Vinte e dois estabelecimentos solicitam intermediação da Câmara Municipal na busca de acordo com a Prefeitura.

Andréia Nogueira, representando escolas particulares de educação infantil na tribuna da Câmara. Foto: Marquinhos Oliveira/CMM
Desde o início das aulas do ano passado, os estabelecimentos foram contratados, gradativamente, em grupos de prestadores de serviço. Eles deveriam atender a demanda reprimida de crianças entre 0 e 3 anos de idade, que aguardavam na fila de espera municipal.


Segundo Samuel Correia Lopes, proprietário de uma dessas escolas, cada criança custaria R$ 1.287,79 no atendimento integral. Esse valor foi pago aos empresários até março deste ano. Em função da pandemia do novo coronavírus (covid-19), as aulas presenciais foram suspensas.

"Mas nós estamos entregando aos pais, mensalmente, o material e as atividades que os alunos fariam em sala de aula como, por exemplo, papéis e tintas. O problema é que temos despesas fixas como aluguel, água, luz, telefone e funcionários. Precisamos de apoio para continuarmos em funcionamento e garantirmos o serviço quando as aulas forem retomadas", explicou Lopes.
A estimativa dos empresários é que cerca de 1.600 crianças estavam matriculadas em seus estabelecimentos. Segundo eles, nada foi pago pela Prefeitura desde abril.

O presidente da Câmara, Mário Hossokawa (PP), concordou com a queixa apresentada e falou sobre a falta de credibilidade que esse impasse tem causado à administração. O vereador Mário Verri (PT) sugeriu a formação de uma comissão de vereadores para intermediar a questão. 


Livro Orfeu & Violeta. Amazon. Luiz Fernando Cardoso. Café com Jornalista

Na Justiça

Enquanto parte das escolas particulares de educação infantil buscam a negociação para resolver a demanda, outra parte preferiu judicializar a questão. De acordo com o site Maringá Post, há pouco mais de um mês, a Justiça indeferiu pedido de liminar solicitado por dez escolas, que exigiam que o município pagasse pelos serviços prestados na modalidade não presencial.




>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 
Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário