sexta-feira, 17 de julho de 2020

Artigo: A importância da mulher na política

17/07/2020_

Por Tania Tait* – Com base no fato de que as mulheres são 52% da população brasileira e que ocupam menos de 10% de cargos na política, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem se empenhado em campanhas de estímulo para que as mulheres sejam candidatas.

De acordo com os dados do TSE, nos últimos anos mais mulheres foram candidatas, no entanto, o percentual de mulheres na política não se modificou, e as mulheres continuam sendo apenas 10%.

A importância da mulher na política. Café com Jornalista
Imagem: site Metrópoles
Diante disso, vários partidos têm incentivado as mulheres a ser candidatas, principalmente pela representatividade populacional, sem, entretanto, preparar as candidaturas ou fortalecê-las com tratamento igual ao dado aos candidatos homens em termos de orçamento, visibilidade e ocupação do espaço nos meios de comunicação.


As mulheres, além de serem a metade da população brasileira, são as mais qualificadas em anos de estudo e as que mais chefiam as famílias brasileira. Também são as mulheres, em sua maioria, que gerenciam os lares, que acompanham as crianças na escola, os idosos e doentes na área de saúde, que circulam no comércio e movimentam a economia local. Portanto, as mulheres conhecem o cotidiano das atividades e sabem dos problemas.

Contudo, as mulheres não têm representatividade no momento de decidir como estes serviços são fornecidos e não participam do processo de decisão que influência suas vidas e das famílias.

Graças ao movimento feminista e ao movimento de mulheres em geral, muitas conquistas foram obtidas ao longo do tempo, como políticas públicas para mulheres, no combate à violência contra a mulher, na geração de emprego e renda, nos direitos reprodutivos, entre outros. O esforço se torna imenso na medida em que as mulheres precisam convencer aqueles que detêm o poder sobre as suas necessidades.


Cientes disso, as mulheres têm se organizado na sociedade civil de diversas formas, com o objetivo de estimular mulheres para que atuem na área política, garantindo dessa forma, a representatividade que é devida.

Em Maringá, especificamente, são conhecidos três movimentos: o movimento "Mais Mulheres no Poder"; a campanha "Mulheres, passou da hora, vamos ocupar a política!", do Fórum Maringaense de Mulheres; e campanhas de organizações não governamentais que buscam formar as mulheres para a luta política. Destaque para a ONG Maria do Ingá Direitos da Mulher, o Instituto de Mulheres Negras Enedina Alves Marques, a Associação Maringaense LGBT e a Associação Nenhuma a Menos.

O "Mais Mulheres no Poder" trouxe uma ação inédita para Maringá ao reunir pré-candidatas a vereadoras para que a Câmara Municipal de Maringá tenha mulheres. Na atual legislatura, tivemos apenas a presença da professora Vilma (PT) por dois meses como suplente. O movimento tem apoio da OAB-Maringá, do Fórum Maringaense de Mulheres e de várias entidades da sociedade civil.


Maringá, em seus 73 anos de história, teve apenas 13 vereadoras, nenhuma prefeita ou vice-prefeita.
Uma das atividades do "Mais Mulheres no Poder" tem sido a realização de debates on-line, com apresentação de pré-candidatas.
 
No último dia 16, foi realizado o debate sobre o tema "A importância da representatividade da mulher na política", com três convidadas que se apresentam como pré-candidatas a prefeita e a vice-prefeita para as Eleições 2020 em Maringá. As convidadas foram Akemi Nishimori (PL), Coronel Audilene (PP) e Tania Tait (PT) com mediação da advogada Alana Marquezini.

No debate, foram tratados temas relativos a orçamento público, políticas públicas para mulheres, geração de emprego e renda, desenvolvimento regional e integração entre as áreas da Prefeitura. 
Discutiu-se, também, a necessidade de descontrução do machismo na sociedade, a igualdade entre mulheres e homens colocada na nossa Constituição de 1988 e o olhar da mulher sobre os problemas sociais. 


A reivindicação do "Mais Mulheres no Poder", de que 50% dos cargos de confiança no primeiro e segundo escalão da Prefeitura sejam ocupados por mulheres foi tratada no debate, com relato de partidos que já possuem essa experiência em suas direções, com 50% dos cargos ocupados por mulheres.

Livro Orfeu & Violeta. Amazon. Luiz Fernando Cardoso. Café com Jornalista

Ao fim do debate, as convidadas confirmaram o compromisso de atuar contra candidaturas fictícias (chamadas também de candidaturas laranjas) e trabalhar para o aumento do orçamento para as políticas públicas para as mulheres. Esse foi o primeiro debate que reúne mulheres discutindo a cidade e o papel do Executivo. Certamente, o debate entra para a história de Maringá, mostrando que as mulheres têm experiência, capacitação e qualificação para resolver os problemas da cidade.

Coordenadora licenciada da ONG Maria do Ingá Direitos da Mulher, Tania Tait é escritora e professora aposentada da UEM, com doutorado em Engenharia de Produção pela UFSC e pós-doutorado em História pela UEM. Seu mais recente livro é "As Mulheres na Luta Política" (2020).



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que os reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.



Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.
Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário