sábado, 6 de junho de 2020

Vereador reage a críticas do apresentador Salsicha sobre o Fundo Covid

06/06/2020_

O Balanço Geral da RICTV (Record) levou ao ar, esta semana, informações sobre o volume pífio de recursos depositados no Fundo Covid. As duras críticas feitas pelo apresentador Salsicha, que tem uma das melhores audiências da TV maringaense, foram rebatidas na Câmara Municipal pelo vereador Carlos Mariucci (PT).

O vereador Mariucci e o apresentador Salsicha. Café com Jornalista
O vereador Carlos Mariucci (PT) e o apresentador Salsicha, da RICTV (Record)
A pedido da produção do Balanço Geral, a assessoria de comunicação da Prefeitura divulgou que o Fundo Covid recebeu depósitos na soma de R$ 1.026,64 – sem informar quem contribuiu e quanto foi doado por cada pessoa. Essa falta de transparência, como já mostrou o Café, fere a lei municipal que criou o fundo e também a lei federal de acesso à informação.

O apresentador não atentou à transparência, focando sua crítica no valor doado. "É uma vergonha para nossas autoridades. Depois, vão querer falar pra mim que são bons de coração para ajudar o povo. Tudo conversa fiada", disparou Salsicha. "Se três vereadores tivessem depositado o valor [do reajuste], em uma vez [em um único mês], já daria isso [R$ 1.026,64]", acrescentou.


Salsicha disse que o prefeito Ulisses Maia (PSD) também não está depositando, e estendeu as críticas ao vice-prefeito, Edson Scabora (MDB). "Achei que pelo menos o senhor, professor, que é dono de uma instiução [de ensino], ia depositar o valor do aumento do salário na conta para combater a covid. Se ao menos o senhor tivesse depositado, passava dos R$ 1.026", disse. Assista ao vídeo aqui.

No plenário da Câmara Municipal, Carlos Mariucci (PT) rebateu as críticas. No pequeno expediente da sessão de quinta-feira (4), sem mencionar nomes, o vereador chamou as críticas de "sensacionalismo sobre o Fundo Covid na imprensa", convidando quem critica a fazer depósitos no fundo.

"Cada agente político já tem as suas obrigações. Os vereadores já têm feito repasses para entidades, de acordo com a necessidade. É um compromisso social de cada um. Estamos aqui trabalhando seriamente, fazendo aquilo que entendemos ser o correto, e não vamos aceitar desafios sensacionalistas de pessoas que não têm compromisso com a cidade", disse Mariucci. 
Professor Niero (MDB) também tocou no assunto, mas foi mais discreto. "Evito qualquer tipo de falatória a respeito desses temas. Aqueles que me conhecem sabem que a gente tem trabalhado e ajudado bastante. Não vou citar pessoas que nós ajudamos, porque o que a mão direita faz a esquerda não precisa saber", comentou.


Os demais vereadores não falaram sobre o Fundo Covid. Sidnei Telles (Avante), que garantiu estar fazendo as doações mensais, apresentou um novo requerimento pedindo a divulgação de dados do Fundo Covid no site da Prefeitura. No primeiro requerimento, as respostas da administração não garantiram que o público poderá conferir quem contribuiu ou não para o Fundo Covid, como preconiza a lei municipal.



Críticas

A crítica levada ao ar foi antecedida pelo contexto no qual o Fundo Covid foi aprovado. Salsicha lembrou que o reajuste de 4,3% concedido aos servidores municipais de Maringá, na data-base, foi aplicado também aos subsídios do prefeito, vice-prefeito e vereadores. "Eu critiquei, num momento difícil em que a cidade estava passando [com o comércio fechado], esse aumento dos salários", disse.

O apresentador informou o valor nominal do "aumento" – que, na verdade, corresponde à resposição da inflação. Salsicha disse que "para não ficar ruim diante da população", os vereadores criaram o Fundo Covid para depositar o valor correspondente ao reajuste. De fato, a criação do fundo acabou acalmando o ânimo dos eleitores que desaprovaram o reajuste em meio à pandemia.


Conforme o Café informou, em 13 de abril, com a reposição da inflação o subsídio do prefeito teve um adicional de R$ 1.086,38 por mês, o equivalente a R$ 10.863,80 em dez meses (entre março, mês da data-base dos servidores, e dezembro). No caso do vice, o adicional foi de R$ 575,78/mês (R$ 5.757,80 na soma até o fim do ano). 

O presidente da Câmara passou a ganhar R$ 593,97 a mais por mês (R$ 5.939,70 na soma). Os demais vereadores tiveram um adicional de R$ 395,98/mês (R$ 3.959,80 na soma, cada). Como são 14 vereadores (exceto o presidente, citado acima) o acumulado dos 4,3% dará a quantia de R$ 55.437,20 em 2020.

Subsídios atualizados do prefeito, vice e vereadores de Maringá. Café com Jornalista
Valores atualizados dos subsídios – Infográfico: Café com Jornalista

Considerando o período entre a data-base e o mês de dezembro, se todos os vereadores e também o prefeito e o vice doassem os 4,3% do reajuste, o Fundo Covid poderia arrecadar R$ 78 mil até o fim de 2020. Esse valor poderia superar os R$ 100 mil com a adesão dos cargos comissionados, como os secretários municipais.

Na Câmara, o projeto de lei que criou o Fundo Covid foi aprovado por unanimidade.

☕ Leia as matérias do especial Maringá 73 anos


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.

Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário