terça-feira, 12 de maio de 2020

Taxar grandes fortunas é o caminho para enfrentar os impactos da pandemia

12/05/2020_

Com CUT e TVT – Os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus (covid-19) devem ser combatidos com justiça social e senso econômico. A análise é do economista Ladislau Dowbor, que defende a tributação sobre as grandes fortunas no Brasil.

Economista Ladislau Dowbor
Economista Ladislau Dowbor, da PUC-SP – Reprodução: TVT
Entre todos os tipos de tributos vigentes no país, são 13 os impostos criados pela Constituição Federal de 1988: sete federais, três estaduais e três municipais. O Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) é o único deles que ainda não foi instituído por lei complementar. Segundo Dowbor, precisa ser.


Professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Dowbor diz que o melhor caminho para angariar os recursos necessários para superar a crise causada pelo coronavírus é taxar as grandes fortunas. "Se não taxar o 1% mais rico, se não fizer eles pagarem uma parte da crise, não funciona. Tem que buscar o dinheiro onde ele está", explica o economista.

Dowbor diz que o problema básico é que lucros e dividendos (lucro que cai no bolso do grande empresário) não pagam imposto. Pouquíssimos países não cobram impostos sobre os dividendos. "Não é questão de aumentar impostos, é uma questão de justiça social e bom senso econômico", comenta. 


Autor o livro "A Era do Capital Improdutivo", o professor diz que a falta da cobrança do IGF gera uma evasão fiscal de mais de R$ 500 bilhões dos mais ricos. Enquanto isso, os assalariados são tributados na fonte. 

Petição

O Brasil está entre os dez países mais desiguais do mundo. Isso significa que um número bem pequeno de brasileiros tem muito mais dinheiro do que toda a classe média, os trabalhadores e os pobres juntos. Além disso, esses super-ricos pagam muito pouco ou quase nada de imposto.

Para corrigir essa injustiça social, há vários movimentos na internet propondo a taxação das grandes fortunas, por meio da instituição do IGP. Um desses movimentos se chama "Taxar fortunas para salvar vidas". Veja aqui como assinar a petição



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.



Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição.
Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário