terça-feira, 7 de abril de 2020

Psicóloga da PUCPR dá cinco dicas para a adaptação ao isolamento social

07/04/2020

Com a pandemia do novo coronavírus (covid-19), a humanidade se vê diante de um isolamento social global sem precedentes. Nunca antes tanta gente precisou ficar em casa, evitando as ruas como prevenção a uma doença. Essa situação interfere diretamente nas condições de saúde mental dos indivíduos.

Retome aquela atividade prazerosa e que há tempos pensava em fazer, como a leitura
É isso que explica a psicóloga Natália Barzaghi, professora do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) em Maringá. "Com a covid-19, vivemos um momento inédito e sem precedentes. Em razão disso, fomos colocados em um cenário de incerteza, medo e ansiedade, sentimentos comuns a muitos e totalmente compreensíveis", explica.

☕ O que se sabe da cloroquina no tratamento da covid-19
☕ A situação da covid-19 é bem pior que a do balanço oficial
☕ Câmara suspende impostos por 90 dias em pacotão de medidas contra a crise

No entanto, é possível criar estratégias para superar esse momento de dificuldade. Doutora em Psicologia e Sociedade, Natália diz que é preciso aceitar a necessidade de estar afastado do mundo externo, aproveitando essa fase para "olharmos para dentro de nós". Nessa adaptação, Natália elenca cinco dicas que podem ser muito úteis. Confira:

1 - Enxergar-se como membro de uma comunidade
Os vínculos tendem a nos tornar mais fortes. À medida em que consigo entender que as minhas ações afetam diretamente a vida das pessoas a minha volta, os possíveis desconfortos da situação podem ser minimizados. Ou seja: faço pelo outro porque o outro faz por mim, juntos enfrentaremos melhor as demandas do dia a dia.

2 - Manter os contatos sociais
Com o avanço da tecnologia, multiplicam-se as possibilidades de interação social. Explore-as. Mantenha-se em contato com familiares e amigos, tentando experimentar novas formas de conversas como os chats em grupo. Lembre-se de abordar outros assuntos para além da covid-19, como filmes, memórias conjuntas ou planos futuros.

3 - Informar-se na medida certa
É importante se manter informado até para se instrumentalizar quanto aos procedimentos de prevenção à doença. Porém, caso o excesso de notícias estiver causando ansiedade, afaste-se. Escolha, por exemplo, um momento do dia para checar as informações. Não custa lembrar que as fake news são também maléficas à saúde mental.

4 - Olhar para si mesmo e manter-se em atividade
O momento de menos contatos externos pode ser um convite para voltarmos os olhos para nós mesmos. Retome aquela atividade prazerosa e que há tempos pensava em fazer. Muitas plataformas disponibilizaram acesso gratuito a livros, filmes, aulas e museus. Aproveite. Independentemente de estar trabalhando ou estudando em casa, tente montar uma rotina. Ela nos ajuda a nos organizar, inclusive psiquicamente.

5 - Ser empático e solidário: consigo e com os outros
Sentir-se triste ou ansioso frente ao que tem acontecido no mundo é extremamente compreensível. É importante reconhecer tais sentimentos, em si e nos próximos, e acolhê-los sem julgamentos. Não se esqueça: ajude e peça ajuda. A situação é verdadeiramente difícil, mas reconhecer os problemas, falar sobre eles e criar estratégias para enfrentá-los é um passo fundamental.  Caso sinta necessidade, não hesite em procurar um profissional da saúde mental.



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)


Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário