quinta-feira, 16 de abril de 2020

Pingado: Paraná tem 113 municípios em estado de calamidade pública

16/04/2020

A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep) reconheceu o estado de calamidade pública em mais 73 municípios do Estado. Agora, no total, são 113 cidades que se encontram oficialmente nessa situação, o que representa 28% do total de municípios do Paraná. O estado de calamidade foi aprovado pela Alep até 31 de dezembro deste ano.

Para que haja reconhecimento de calamidade pública em uma cidade, é necessária a aprovação da Assembleia Legislativa daquele Estado, já que há uma série de flexibilizações no ponto de vista das metas fiscais do município, bem como facilidades na compra de insumos.

Deputado Ademar Traiano (PSDB) em sessão plenária – Dálie Felberg/Alep
Testagem em Foz
O Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), em Foz do Iguaçu, foi credenciado a fazer testagem da covid-19 em grande escala. O hospital, mantido pela Usina Itaipu, irá auxiliar o município nas testagens em pacientes que estejam sintomáticos e que tenham síndromes respiratórias agudas. O acordo, assinado na quarta-feira (15), prevê a testagem de cerca de 26 mil pessoas.

Investimento
No combate direto ao novo coronavírus, a Itaipu Binacional já investiu cerca de R$ 15 milhões, inclusive com a ampliação de leitos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do HMCC.

Turismo
Um dos principais fatores produtivos de Foz do Iguaçu é o turismo. Com o fechamento das visitas às Cataratas do Iguaçu, das fronteiras entre o Brasil com o Paraguai e Argentina, além do Marco das Três Fronteiras e da Itaipu Binacional, trabalhadores autônomos do setor passam por dificuldades. Um grupo de profissionais do setor, desenvolveu uma rede de voluntários para auxiliar aqueles que estão em situação de vulnerabilidade, entregando doações de alimentos.

Gripe
Se, por um lado, algumas pessoas não levam a sério a covid-19, reivindicando a abertura do comércio – sem se ater aos procedimentos básicos de biossegurança, a fim de prevenir a doença; por outro lado, um dado bastante promissor: a campanha de vacinação contra a gripe, em Foz do Iguaçu, atingiu mais de 21 mil pessoas, superando a meta pré-estabelecida pelo Ministério da Saúde. O número de vacinações chegou ao patamar de 106% do que era esperado pelas autoridades de saúde.

Matemática
Um grupo de pesquisa da Universidade Estadual de Maringá (UEM) está desenvolvendo, a partir de modelos matemáticos e análise de dados, uma forma para que o sistema de saúde de Maringá não entre em colapso. A partir de referências obtidas de números do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS), os pesquisadores já constataram que a proliferação do vírus, em Maringá, é mais lenta que a tendência mundial. A pesquisa está sendo realizada pelo departamento de Matemática da UEM.

Testes rápidos
O governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, distribuiu, nesta semana, cerca de 52,4 mil testes rápidos para covid-19, aos 399 municípios do Paraná. Desta forma, em média, cada uma das cidades paranaenses recebeu 131 testes, o que representa 18 testes por dia. O Estado já havia credenciado as universidades públicas estaduais a realizarem testes e diagnósticos para o combate ao vírus, mais que dobrando a capacidade de testagem do Paraná.

Mandetta
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teima em jogar contra o próprio patrimônio. A atuação técnica do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, incomodou o presidente que não gosta de ser ofuscado por nenhum de seus "subalternos". Enquanto Mandetta agrada gregos e troianos, direita e esquerda, na postura e seriedade com as quais encara a situação, Bolsonaro encontrou seu novo nióbio: a hidroxicloroquina.

Medicamento
Nada contra a hidroxicloroquina, mas, entre "resultados promissores" e "resultados efetivos" há um longo caminho a ser percorrido. Bolsonaro precisa aprender que ciência não é opinião, havendo uma liturgia a ser seguida. Ciência, diferentemente dos tuítes do presidente, demanda capital intelectual, algo que lhe falta – e que por todos já é sabido (inclusive por ele próprio).

Victor e a esposa Mariana Kateivas no deserto de Merzouga – Arquivo pessoal
#TBT Marrocos
No TBT desta quinta, desembarcamos no Marrocos, mais precisamente no deserto de Merzouga. Ressalto aqui que Sahara significa deserto. Dessa forma, há diversos saharas na geografia marroquina. O que os turistas mais gostam é justamente o de Merzouga – aquele que vemos nos filmes, com sua areia fina e alaranjada. No passeio, fomos de carro até o deserto, pegamos carona com um dromedário e acampamos. Os acampamentos de lá são bem luxuosos. Eu optei em ficar no Oasis Luxury Camp. Além da tenda bem arrumada, o passeio incluiu jantar, luau e, claro, um tempinho para observar o pôr do sol e, mais tarde,  as estrelas. É um passeio diferente, e eu o recomendo bastante!



>>> Saiba mais sobre o colunista
>>> Veja os destaques dos demais colunistas

* As informações publicadas pelos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que as reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário