quinta-feira, 2 de abril de 2020

Cafeinado: Falta rigor na punição de pessoas causam pânico no compartilhamento de fake news

02/04/2020

Deveria existir, no Brasil, uma maneira mais efetiva para punir quem espalha fake news que causam pânico e que coloquem as pessoas em risco em meio à pandemia. Uma legislação específica, contra a impunidade, talvez inibisse o compartilhamento das notícias falsas. A situação é tão grave que na África do Sul, por exemplo, foi aprovada lei para punir com multa ou prisão (ou ambos) quem dissemina boatos nas redes sociais.

Não compartilhe nada sem checar
O lado positivo das fake news de WhatsApp e outras redes sociais é que elas, via de regra, deixam rastros, gerando provas contra o mentiroso. Outra boa notícia: a polícia já tem aproveitado isso para enquadrar essas pessoas, especialmente aquelas que mentem de forma intencional. Essas ações são fundamentais para reduzir a sensação de impunidade, de que a internet é terra de ninguém. Pelo contrário, as leis também se aplicam à infrações cometidas no meio digital.

Ceasa de Minas I
Um dos casos mais recentes ocorreu em Minas Gerais. A Polícia Civil não tardou a descobriu o autor daquele vídeo fake sobre o completo desabastecimento da Ceasa de Contagem, na grande Belo Horizonte. "Temos imagens do sistema de segurança interna da Ceasa, do horário em que ele fez o vídeo, que provam que a Ceasa funcionava normalmente no momento da filmagem", disse o delegado que investiga o caso, em entrevista à CBN (ouça aqui).

Ceasa de Minas II
O mentiroso – que usou da fake para atacar o isolamento social – vai responder por infração presente na Lei de Contravenções Penais por ter provocado alarme ao anunciar desastre ou perigo inexistente, produzindo pânico ou tumulto. A pena prevista é de 15 dias a seis meses de prisão ou multa. Ainda é pouco. A pena devia ser proporcional ao quanto a fake news viralizou. E essa aí circulou pra caramba. Tem de doer no bolso, no mínimo.

Péssimo exemplo
Quem compartilha as fake news dá um péssimo exemplo e presta um desserviço em especial nos casos de saúde pública. Foi o que fez o presidente Jair Bolsonaro, que divulgou em seu Twitter o boato sobre a Ceasa de Minas, e depois apagou o tuíte. Segundo advogado ouvido pela CBN, pessoas que compartilham mentiras nas redes sociais também podem ser responsabilizadas.

Faça a sua parte
Além de não compartilhar nada sem checar, ajude a imprensa a desmentir os boatos. Quando você se deparar com a notícia falsa, busque nos sites de fact-checking (veja sete deles aqui) para rebater o boato. Mas se prepare: ao invés de um obrigado, você provavelmente vai ouvir alguma ofensa do irresponsável que divulgou a fake news.

Ministério da Saúde
Especificamente sobre as fake news relacionadas à covid-19, o Ministério da Saúde criou uma página com várias dicas e desmentidos. Vale a pena dar uma olhada nessa página todo dia.

História



A pandemia da gripe espanhola, em 1918, deixou um rastro de 50 milhões de mortes. Pessoas já se protegiam com máscaras naquela época. O curioso é que, sem muito conhecimento científico sobre o vírus, as pessoas também procuraram proteger seus animais de estimação com máscaras adaptadas para eles. Veja mais fotos aqui.

Mortes no Brasil
Com 58 novas mortes pela covid-19 em 24 horas, o Brasil alcançou o número de 299 óbitos nesta quinta (2). O total de casos confirmados chega a 7.910, de acordo com boletim do Ministério da Saúde. Contudo, muitos testes de pessoas que morreram com a suspeita da doença ainda não foram concluídos. A situação, infelizmente, é bem mais grave do que os números oficiais revelam.

Paraná
Uma nova morte pela doença foi confirmada, nesta quinta, em Campo Mourão. Assim, sobre para quatro os óbitos por covid-19 no Paraná, que tem 258 casos confirmados. De acordo com autoridades locais, a morte do homem de 72 anos anos ocorreu na terça-feira (31), e o resultado positivo era aguardado. Leia mais no portal i44news.

Maringá e Sarandi
A cidade tem dois óbitos causados pelo novo coronavírus. De acordo com o boletim da Prefeitura, divulgado no fim da tarde desta quinta, são 22 casos positivos, 49 pessoas internadas e 513 casos suspeitos. Com um caso confirmado e seis suspeitos, Sarandi prorrogou a quarentena até 17 de abril. Está certo, o melhor é prevenir.

Na UTI
O ex-secretário municipal José Eudes Januário está internado na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Municipal de Maringá (HMM) com suspeita de coronavírus. Segundo pessoas próximas, ele precisou ser entubado e sedado, e o quadro é considerado grave, mas estável. Toda nossa torcida e orações pelo Eudes. Leia mais aqui.

Missa divertida
Segundo as recomendações para evitar aglomerações, muitos religiosos têm celebrado cultos e missas pela internet. É um alento para quem tem fé. E se a fé pode mover montanhas, como diz a Bíblia, por que não haveria de nos conformar nesta pandemia? E se a missa for divertida, melhor ainda. Foi o que ocorreu com o padre que esqueceu o filtro do Instagram ligado. Vejam:


Cestas básicas
A Associação dos Docentes da UEM (Aduem) está em campanha para arrecadação de materiais hospitalares para o Hospital Universitário de Maringá (HUM) e cestas básicas para famílias em vulnerabilidade social. A iniciativa surgiu no contexto da pandemia da Covid-19, em que diversas famílias estão financeiramente prejudicadas e sem ter o que comer nos próximos dias. Para mais informações sobre como doar e sobre a campanha, clique aqui.




>>> Saiba mais sobre o colunista
>>> Veja os destaques dos demais colunistas


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)


Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário