quarta-feira, 8 de abril de 2020

Cafeinado: Maringá vai reabrir indústrias em meio ao aumento das mortes pela covid-19. Não é precipitado?

08/04/2020

O abre da coluna desta quarta (8) seria o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), porém, um assunto local roubou a cena no início da noite. Um dos municípios mais exemplares do país na prevenção à covid-19, Maringá decidiu reduzir ainda mais as medidas restritivas adotadas desde o decreto que fechou o comércio, em 20 de março.

Em uma longa reunião do prefeito Ulisses Maia (PSD) com vereadores e lideranças da indústria e do comércio, na Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), decidiu-se pela reabertura da indústria e retomada da construção civil a partir de segunda-feira (13). Veja os detalhes na matéria publicada há pouco no Café

Infográfico da RPC revela as regiões de Maringá com mais casos da covid-19: são 11 só no centro
A decisão tomada na Acim tem um lado positivo e outro negativo. Positivo: a reabertura foi discutida com base em dois relatórios técnicos, um deles assinado por consultores médicos e infectologistas, tendo levado em conta a capacidade de leitos da cidade. Negativo: a decisão pela flexibilização da quarentena ocorre no dia em que o Ministério da Saúde anunciou que o Brasil chegou a 800 mortes pela doença.

Ainda estamos longe do pico de contágio. Ou seja, baseado nas ocorrências de países onde o novo coronavírus chegou primeiro, sabemos que a situação vai piorar muito (muito mesmo) antes de melhorar. Espero, realmente, que essa não tenha sido uma medida precipitada das autoridades locais. Do contrário, os esforços do isolamento social, até o momento, poderão ter sido em vão.


Pressão
A flexibilização da quarentena ocorre após fortes pressões do empresariado local contra o isolamento social adotado pelo governo Ulisses. Reportagem de Victor Simião para a CBN mostra que, três semanas após anunciar a primeira medida, Ulisses se via em meio a uma crise entre os três poderes. Vereadores cobravam mais diálogo e abertura gradativa, enquanto o Judiciário deferia liminares para a abertura de segmentos do comércio.

Alerta
"É suicídio fazer isso agora. A contaminação vai assolar nossa cidade", diz a Ana Lúcia Rodrigues, coordenadora do Observatório das Metrópoles da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Segundo ela, o observatório deve publicar, nos próximos dias, um modelo estatístico revelando o potencial de contágio sem o isolamento social. E se o alerta estiver correto? E se a flexibilização saturar a capacidade hospitalar? Quem vai assumir a culpa? São perguntas pertinentes neste momento.

Balanço
Maringá permanece com dois óbitos pelo novo coronavírus. Segundo boletim da Prefeitura, divulgado nesta quarta, agora são 42 casos positivos na cidade. Os suspeitos em acompanhamento, por terem apresentado algum sintoma da covid-19, são 351. Destes, 30 estão internados. Um deles, infelizmente, é o ex-secretário municipal Eudes Januário, que segue na UTI do Hospital Municipal.

Meme




Bronca I
Deu o que falar a abordagem da Guarda Municipal (GM) na prisão, nesta quarta (8), de um dono de lava-jato que descumpriu o decreto municipal que fechou o comércio. Vídeo feito por populares mostra uso de força desproporcional contra o detido, que chegou a desmaiar num mata-leão. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota, cobrando que o caso seja devidamente apurado. O homem foi solto após pagar R$ 1.000 de fiança. Aliás, a fiança não foi salgada demais para um dono de lava-jato?

Bronca II
Ulisses confirmou um áudio seu, vazado à tarde, reafirmando ter determinado a apuração dos fatos e o afastamento dos guardas envolvidos. "Não estou pré-julgando os guardas, mas não admito e não compactuo com nenhum tipo de violência. Tenho certeza que tudo será equacionado. Falei pessoalmente com familiares da pessoa que foi agredida", disse o prefeito, em vídeo divulgado nas redes sociais. GMs não gostaram.

Barriga
Leitores questionaram por que o Café não publicou matéria sobre o episódio, e foram informados de que este blog não cobre a área policial. Há dezenas de outros blogs especializados nessa área. Para os mais curiosos, o Portal do Rigon deu matéria falando em barrigada do noticiário policial. No jornalismo, "barriga" é a notícia mal apurada, com erros (não devendo ser confundida com fake news, que é a informação falsa).

Áudio vazado
Outro político com áudio vazado, nesta quarta (8), foi o presidente da Câmara de Maringá, Mário Hossokawa (PP), que confirmou a autoria. "Rapaz do céu, a situação vai piorar a partir de amanhã. O prefeito não pode ficar dando sopa aí na rua, porque ele corre riscos. Se deixar ele [Ulisses] resolver, do jeito que está resolvendo, aí sim vai virar calamidade de verdade", disse. Pelo visto, o áudio vazou de um grupo de vereadores no WhatsApp.

Hossokawa
O vereador explicou, em nota, que se referia a um temor generalizado de que a pandemia do novo coronavírus abale profundamente a economia local. "Infelizmente, tem-se constatado comportamento unilateral por parte do Executivo, com decretos pouco razoáveis e nem sempre assertivos. Prova disso são as liminares coletivas expedidas pelo TJPR que, dia sim, dia não, derrubam imposições decretadas anteriormente pelo prefeito", diz trecho da nota.

Pronunciamento
Para quem não assistiu, este foi o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, feito em cadeia nacional de rádio e TV na noite desta quarta (8).


Resumo I
Bolsonaro tornou a falar na cloroquina no tratamento à covid-19, falou que é preciso combater o vírus e o desemprego e, mais discretamente que nos pronunciamentos anteriores, defendeu o retorno ao trabalho. "O brasileiro quer voltar a trabalhar. Essa foi minha orientação aos ministros, observadas as normas do Ministério da Saúde". Notem que, depois da frustrada tentativa de demitir o ministro Luiz Henrique Mandetta, Bolsonaro fez uma atípica menção às "normas" do ministério.

Resumo II
O presidente também citou medidas adotadas pelo governo federal, como o início do pagamento dos R$ 600 de auxílio emergencial tão aguardado pelos trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores; e da isenção de energia elétrica para as famílias mais carentes. Mais comedido no discurso, Bolsonaro disse respeitar a autonomia dos prefeitos e governadores sobre medidas adotadas no combate à covid-19.

Supremo
Na fala sobre respeitar prefeitos e governadores, Bolsonaro não mencionou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbe o presidente de decretar o fim da quarentena no país. A decisão liminar do ministro Alexandre de Morais, desta quarta (8), acolheu um pedido da OAB para que fosse assegurado aos governos dos Estados e municípios os decretos de quarentenas, conforme as necessidades de cada lugar.

Nostalgia
Sem Palmeiras na Libertadores, sem NBA, sem Fórmula 1 e até mesmo sem Olimpíadas – pra você ver que a pandemia não é só uma "gripezinha". O jeito, então, é matar a saudade dos esportes favoritos revendo vídeos no YouTube. Escolhi para os leitores uma seleção das seis melhores corridas do eterno Ayrton Senna. Quem tem 35 anos ou mais vai curtir, com certeza. Nostalgia pura!





>>> Saiba mais sobre o colunista
>>> Veja os destaques dos demais colunistas


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)


Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário