sexta-feira, 13 de março de 2020

Cafeinado: A pandemia de coronavírus, as providências tomadas e o alarme da imprensa

13/03/2020

A Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou, quarta (11), o que todo mundo já sabia: a pandemia do novo coronavírus, causador da doença respiratória e letal (principalmente entre idosos). A notícia causou um alarme geral, com uma overdose de coronavírus nos noticiários nacional, estadual e até mesmo local – onde ainda não há nenhum caso confirmado da doença.

O alarme precisa ser seletivo. Faz todo sentido a grande exposição midiática ocorrer na Itália, onde o problema é gravíssimo. Por aqui, ainda não há qualquer justificativa para o coronavírus ter quatro, cinco vezes mais tempo no noticiário do que a dengue, que já causou 37 mortes no Paraná, com 52 mil casos da doença confirmados desde julho do ano passado.

Há a necessidade de informar a população, claro, mas o excesso causa pânico. Em São Paulo, por exemplo, quatro instituições de ensino superior cancelaram suas aulas, na quinta (12), por conta do avanço do coronavírus, mesmo sem nenhum caso da doença entre estudantes e funcionários daquelas faculdades. Imagine só se o mesmo alarme, o mesmo nível de medo, fossem usados no combate aos criadouros do mosquido da dengue?

Reunião no Paço Municipal, nesta sexta (11) sobre o coronavírus – Foto: Aldemir de Moraes/PMM
Maringá I
Cada qual deve fazer a sua parte, e ao poder público cabem as medidas preventivas e de esclarecimento. Em Maringá, o prefeito Ulisses Maia (PDT) e o secretário Jair Biato (Saúde) apresentaram o Plano de Contingência contra o coronavírus (Covid-19). Foram assinados dois decretos sobre planos de ação e formação do Grupo Executivo Municipal Emergencial (GEM-ESP) e do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS).

Maringá II
O município segue protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde, que tem feito um trabalho sereno no acompanhamento dos casos do coronavírus no Brasil. Na cidade, aulas e eventos estão mantidos, com avaliação diária. "O que deve ser adiado, num primeiro momento, são eventos com idosos, que é classe mais suscetível à doença", diz trecho de release da Prefeitura.

Mapa do avanço do Covid-19 divulgado na quarta (11) pelo Centers for Disease Control and Prevention (Centro de Controle de Doenças e Prevenção, em português) dos Estados Unidos
Números I 
A comparação com outras doenças (além da dengue) revela que não há motivo para o pânico generalizado que se instalou, com duras consequências nos mercados e com o cancelamento de eventos. Segundo a OMS, a cada cem infectados pelo coronavírus, 3,4% morrem. Os óbitos ocorrem, geralmente, em pessoas com outras doenças e saúde debilitada.

Números II 
De acordo com o respeitado periódico The New England Journal of Medicine, considerando o grande número de casos assintomáticos ou com sintomas mínimos, de pessoas que não vão ao médico, a mortalidade do coronavírus pode ser inferior a 1%. Isto é, apenas dez vezes maior do que a de uma gripe comum (com letalidade de 0,1%).

Números III
Ainda segundo artigo publicado no mesmo periódico, a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), ocorrida em 2002, menos contagiosa que o Covid-19, registrou taxa de mortalidade de 9,63%. Em 2012, a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers) matou 34,5 pacientes a cada cem que contraíram a doença. Tanto a Sars quanto a Mers foram causadas por outros dois tipos de coronavírus. 



Assembleia servidores
Os servidores municipais de Maringá não aceitaram a proposta de 4,2% de reposição da inflação e de 10% de aumento no vale-alimentação feita pelo governo Ulisses Maia. A categoria pede, entre outras pautas, 14,11% de reajuste salarial e aumento do vale-alimentação de R$ 337,50 para R$ 500, com redução da contrapartida de 18,5% para 1%. Nova assembleia será realizada pelo Sismmar nesta sexta (13), às 18h30, no Auditório Luzamor.

Inflação
O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) informa que os dois principais índices inflacionários, o INPC e o IPCA, fecharam fevereiro em 3,92% e 4,01%, respectivamente. Os percentuais correspondem ao acumulado de 12 meses. O IPCA mede a inflação dos alimentos, mas é o INPC que baliza o reajuste dos servidores municipais.

Votação do BPC
O Congresso Nacional rejeitou, na quarta (11), veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao projeto do Senado que amplia o Benefício de Prestação Continuada (BPC) de mísero 1/4 (um quarto) do salário mínimo para quase igualmente mísero meio salário mínimo, cerca de R$ 520. A derrubada do veto começou pelo Senado, com 45 votos contrários, contra 14 favoráveis. Na Câmara, o veto foi derrubado com 302 votos a 137. A matéria vai à promulgação.

Como votaram
Os deputados maringaenses que votaram a favor do BPC foram: Enio Verri (PT) e Luiz Nishimori (PL). Votaram contra o benefício para a população mais pobre: Ricardo Barros (PP) e Sargento Fahur (PSD). Veja a posição de cada deputado da bancada paranaense no blog do jornalista Gustavo Ferro.

Ofício ao Pan News
O Observatório das Metrópoles, núcleo da Universidade Estadual de Maringá (UEM), solicita ao Programa Pan News, da rádio Jovem Pan Maringá, a apresentação de fonte ou a correção da informação dada sobre violência doméstica. Segundo a professora Ana Lúcia Rodrigues, do Observatório, um comentário levado ao ar estimula à violência contra a mulher.

Polêmica
O comentário em questão foi feito por Josué Tadashi Endo Jr. o programa da terça-feira (10). Segundo ele, o Mapa da Violência no Brasil mostra que o homem morre muito mais que a mulher de violência doméstica. "A esposa mata mais o marido do que o marido mata a esposa. Então, onde há essa fragilidade [da mulher]", disse.

Dados
Segundo o Observatório, o Mapa da Violência, mencionado por Endo, traz na verdade outra informação: “É interessante perceber o alto índice de eventos violentos letais intencionais contra as  mulheres dentro da residência, que correspondem por 39,2%, e que com grandes chances se relacionam com casos de feminicídio. Quanto à vítima de homicídio masculino em residência, o
percentual apresentado é de 15,9% (p.74)".

Aniversário
Agradeço a todos que enviaram felicitações a este jornalista, nesta quinta (12), por ocasião do meu aniversário, incluindo a jornalista Dayani Barbosa, que gentilmente lembrou a data em sua coluna social, no Jornal do Povo. Para celebrar, teve comida portuguesa. A escolha foi o Bacalhau do Neto (bacalhau às lascas, salteado no azeite, com natas, ervas finas e cebolas. Acompanhado de batatas à dorê) da Taberna Portuguesa.

Recorte da coluna da Dayani Barbosa no Jornal do Povo de quinta-feira (11)
Aceito presente
Para quem quiser presentear o jornalista, fica o convite à leitura dos meus três e-books de crônicas, todos disponíveis na Amazon (grátis no Kindle Unlimited). Seguem os links: "Orfeu & Violeta", "Quero Café!" e "Nas Curvas de Maringá". Abaixo, para descontrair, cito dois sonhos que tive nesta madrugada.

Sonho I
Eu e mais dois jornalistas de Maringá estávamos acompanhando uma visita do ministro da Economia, Paulo Guedes, à cidade. No aeroporto, acompanharíamos o ministro em um ônibus que faria um giro pela Cidade Canção. No desembarque, questionamos o ministro sobre o dólar a R$ 5 e ele, irritado, deixou-nos lá, sem carona no ônibus. Os outros dois jornalistas eram Luiz de Carvalho, ex-O Diário, e Maika Martins, ex-RIC TV Record e hoje brilhando no Vale Sorte.

Sonho II
Sem ligação alguma com o sonho anterior. Eu estava em Pato Branco e, como de costume, fui tomar o café da manhã reforça do Sabiá – lanchonete que é um cartão de visitas da cidade. O Sabiá havia sido vendido e não serviam mais as costelinhas de porco com ovos e polenta na chapa. Quem também estava lá, igualmente decepcionado com essa mudança no menu, era o ex-conselheiro tutelar Vandré Fernando, que na vida real não conhece o Sabiá.

Centro de Pato Branco – Foto: Luiz Fernando Cardoso/Café com Jornalista



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)


Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário