terça-feira, 17 de março de 2020

Cafeinado: Janaína Paschoal e Reale Júnior questionam permanência de Bolsonaro na presidência

17/03/2020

A participação de Bolsonaro no ato pró-governo de domingo (15), contrariando recomendações do Ministério da Saúde ao sair do isolamento e ter contato direto com o público, tem sofrido (como era esperado) uma enxurrada de críticas desde então. Duas delas partiram de coautores da peça jurídica que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), em agosto de 2016.

Reale Júnior e Janaína Paschoal
Reale Júnior e Janaína Paschoal
Dos três proponentes do impeachment, Hélio Bicudo, Janaína Paschoal e Miguel Reale Júnior, os dois últimos cobraram medidas contra Bolsonaro: Janaína pediu seu afastamento imediato da presidência e Reale Júnior sugeriu que Bolsonaro seja submetido a um teste de sanidade mental. Ambos os questionamentos ocorreram nesta segunda (16).

Ex-ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Reale Júnior defendeu que o Ministério Público (MP) peça que Bolsonaro seja avaliado por uma junta médica para saber se ele é mentalmente capaz de exercer o cargo que ocupa. O jurista classificou como "inimputável" a adesão do presidente a um ato contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), contrariando recomendações para ficar em isolamento por conta da pandemia de coronavírus.



Assembleia Legislativa de SP
A deputada estadual Janaína Paschoal (PSL) usou do pequeno expediente da Alesp para classificar como "injustificável e inadmissível" a postura do presidente no Domingo. Ao se dizer arrependida de ter votado em Bolsonaro, ela sugeriu que o vice-presidente, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), teria mais condições de governar os país. "Deixa o Mourão, que é treinado para a defesa, conduzir a nação", disse.


Impeachment
Ex-apoiadora de Bolsonaro, Janaína defendeu o afastamento imediato do presidente, alegando que ele cometeu crime contra a saúde pública e que não há tempo para um processo de impeachment. Apesar de ser advogada e conhecedora das leis, Janaína está errada. Há de se respeitar o rito legal, submetendo Bolsonaro ao processo de impeachment, assegurando-lhe o direito à ampla defesa, tal como ocorreu com Dilma.

No domingo
Contrariando as orientações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para que fossem evitadas aglomerações como prevenção do coronavírus, apoiadores de Bolsonaro vestiram verde e amarelo e foram às ruas em todo o Brasil. Segundo Emerson Celestino, um dos organizadores do ato,
"mais de 3.000 patriotas participaram da manifestação em Maringá". O foco foi o apoio ao presidente, apesar dos cartazes contra o STF e o Congresso.

Papel do jornalista
O Café foi criticado por questionar a postura do presidente na coluna "Irresponsável, Bolsonaro desautoriza ministro da Saúde e sai do isolamento". Chamaram este jornalista de esquerdista e cobraram que o blog pedisse a grupos de esquerda para cancelarem as manifestações desta quarta (18). O papel do jornalista é noticiar – sem se importar se o que é noticiado vai agradar A ou B e desagradar C ou D – e não de convocar ou desconvocar atos políticos.

Recomendação
Como bem disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem feito um trabalho sério e respeitado no combate ao coronavírus, a recomendação para que não haja aglomeração de pessoas vale para todos, do presidente aos eleitores. Por bom senso, espera-se que os grupos ligados à esquerda cancelem ou adiem o ato de 18 de março. Nesta segunda (16), o Sinteemar (sindicato que representa os profissionais da Educação de Maringá) informou que não participará das manifestações por causa do coronavírus. 

"Achatar a curva"
Várias medidas contra o coronavírus foram adotadas, nesta segunda (16), em inúmeras cidades e Estado. Como há o consenso de que é impossível impedir o avanço do Covid-19, que é altamente contagioso, a estratégia é "achatar a curva da doença", como dizem os especialistas. Um pico menos acentuado do Covid-19 é crucial para evitar a sobrecarga dos serviços de saúde.

Charge


Gol do Salsicha
Ponto para a RIC (Record) na disputa pela audiência do meio-dia contra a RPC (Globo). Nesta segunda (16), enquanto a RPC transmitia entrevista ao vivo com o secretário de Saúde, Jair Biatto, na RIC o apresentador Salsicha entrevistava o prefeito Ulisses Maia (PDT) no estúdio. Logicamente, sempre há mais interesse do público pela figura do prefeito do que de um secretário. O assunto de destaque de todos os noticiários eram as medidas adotadas pelo município contra o coronavírus (Saiba mais aqui).

Suspensão de voos
A Azul anunciou, nesta segunda (16), a suspensão de voos regulares para 11 cidades. A medida leva em conta a queda na demanda em função do avanço do novo coronavírus. A suspensão, que iniciará no próximo sábado (23), será mantida até 30 de junho. Estão na lista quatro cidades paranaenses: Ponta Grossa, Toledo, Guarapuava e Pato Branco.

Limpe o quintal!
O foco mudou completamente da epidemia de dengue para a pandemia do coronavírus, perigoso, mas que ainda não tem casos confirmados em Maringá. É importante não perder o foco no combate ao mosquito Aedes aegypti, limpando o quintal diariamente e passando repelente. O último boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde informou que já são 52.652 casos confirmados de dengue no Paraná, com 37 mortes desde julho do ano passado.

Mantovani na Rede
O Café apurou que o destino do vereador Flávio Mantovani (Cidadania) será a Rede. O partido também deve contar com o ex-conselheiro tutelar Carlos Bonfim. Ao que parece, Mantovani não gostou de não ter sido consultado pela direção estadual do antigo PPS na escolha do candidato a prefeito pela sigla. Segundo o Portal do Rigon, o Cidadania deve lançar o ex-vereador Valdir Pignata para prefeito. Pignata foi um colaborador importante do governo Silvio Barros (PP).

Passe valorizado
No mundo do futebol, costuma-se dizer que o passe está valorizado quando um jogador está mandando bem. Esse é o caso de Mantovani. Segundo mais votado em 2016, com 5.971 votos, o vereador tem feito um mandato sem polêmicas e com aprovação de projetos importantes nas causas que defende: meio ambiente e defesa animal. Se a filiação ao partido liderado por Marina Silva se confirmar, ganha a Rede (que eleva exponencialmente suas chances de atingir o quociente eleitoral), perde o Cidadania.

Mantovani com a mascote do seu gabinete, a cadela adotada Saop – Foto: Arquivo Pessoal

Alô para Sydney e Buenos Aires
Faço parte de dois grupos de brasileiros no exterior, um em Buenos Aires e o outro, em Sydney. Nesta segunda (16), uma postagem do Café nesses grupos gerou um bom debate sobre Bolsonaro e o coronavírus. Rolou até crítica para a festa de inauguração da CNN Brasil que, em tempos de disseminação do Covid-19, reuniu centenas de convidados em ambiente fechado. Fica aqui um abraço ao brasileiros que estão no exterior, mas não se esquecem do Brasil.

Piadinha
De um grupo de WhatsApp, só para descontrair:
Tom Hanks sobreviveu 4 anos em uma ilha como náufrago 🏝
Ficou um ano em um aeroporto sem poder sair 🛫
Pegou Aids na Filadélfia 💉
Esteve na Segunda Guerra Mundial e resgatou o Soldado Ryan
Foi pro Vietnam e resgatou o tenente Dan 🔫
Esteve em um barco sequestrado por piratas somalis 🚢
Sobreviveu na Apolo 13 tentando chegar à Lua 🚀
Aterrizou um Boeing no Rio Hudson✈
Se esse filho da p### morrer de coronavírus 👑🦠, nós TODOS estamos fo-di-dos!!!





>>> Saiba mais sobre o colunista
>>> Veja os destaques dos demais colunistas


>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)




Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário