segunda-feira, 30 de março de 2020

Artigo: O fim do isolamento seria um retrocesso fatal para muitas pessoas, a maioria trabalhadores

30/03/2020

* Por Paulo Vidigal

É fato que quinze entidades encaminharam um manifesto à Prefeitura de Maringá, reivindicando a retomada das atividades econômicas em Maringá. São elas:

A Acim, que representa o empresariado de forma geral; a Sociedade Rural de Maringá, representando o agronegócio; três sindicatos das indústrias de produção de álcool, açúcar e biodiesel; o sindicato dos estabelecimentos particulares de ensino; Maringá Convention & Bureau, ligada ao negócio do turismo; o sindicato da indústria da construção civil;  sindicato das indústrias metalúrgicas; sindicato da indústria de vestuário; o sindicato dos shopping centers; sindicato do comércio lojista e varejista; o sindicato de hotéis, restaurantes e bares e uma associação representando bares e restaurantes.

Fiscalização no comércio de Maringá – Foto: Divulgação/PMM
Para surpresa geral, uma das 15 entidades que assinaram o manifesto trata-se do sindicato de trabalhadores da construção civil, que em seu site registra “representar a classe operária”.

Explanado quem representa quem, pergunta-se: não seria o momento de os sindicatos de trabalhadores, entidades de classe e associações, que ainda não se manifestaram sobre o tema (a manutenção das medidas sanitárias municipais), fazê-lo agora? Ou perderão o trem da história?

Alguns argumentarão sobre a importância da atividade econômica para sociedade. Tudo bem, é um argumento. Mas, num momento em que a pandemia se expande (hoje, 29/03, Maringá contabiliza 194 casos suspeitos, 12 positivos e dois óbitos confirmados por complicação da Covid-19), o fim das medidas de isolamento seria um retrocesso fatal para muitas pessoas. Em sua maioria trabalhadores.

Difícil acreditar que as inúmeras empresas representadas por essas entidades, com o lucro que abraçaram ao longo de anos que estão no mercado, não detenham condições financeiras para uma pausa antes de voltar à atividade, sem colocar em risco a vida de seus empregados. Não buscarão socorro dos governos? Em especial do governo federal, que representou os anseios do empresariado de liberdade total do mercado e Estado mínimo?

Na balança, entre a "economia" e a "vida" de milhares de pessoas, deve-se prevalecer a última. A pessoa jurídica (que na verdade nem pessoa é), esta pode ser “ressuscitada”. Já a pessoa física, o ser humano, esse não pode ser ressuscitado.

* Advogado, Paulo Vidigal foi trabalhador da saúde por 21 anos


Outros artigos:

Abraçar ou não abraçar Suzy: o que faria Jesus?
Reportagem de Drauzio para o Fantástico cometeu três erros crassos



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que os reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)


Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário