terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Artigo: A reposição da inflação repõe mesmo a inflação?

25/02/2020

Por Luiz Fernando Cardoso*

O INPC, índice que serve de referência para o reajuste dos servidores, fechou janeiro com inflação de 4,30% (no acumulado de 12 meses). No salário de alguém que ganhe R$ 2.000 isso representaria, por exemplo, um reajuste de R$ 86 – pouco mais que o preço de um botijão de gás de 13 kg.



O IPCA, indicador que reflete o custo de vida das famílias – sendo utilizado para medir a inflação dos alimentos, inclusive – fechou janeiro em 4,19%. As informações são do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Note que a inflação dos "produtos e alimentos" ficou um pouco abaixo da inflação mais utilizada para recompor os salários. Contudo, alguém acredita mesmo que esses R$ 86 (do exemplo) restituem o poder de compra do trabalhador? O gás, os combustíveis, a carne, o plano de saúde... subiram apenas isso?

Tanto na iniciativa privada como no funcionalismo público é importante que os salários não sofram redução em seu poder de compra. Quando isso ocorre, as famílias passam a consumir menos, focando nos itens essenciais, gastando praticamente toda a renda em alimentação.

Corta-se o plano de saúde, o jantar fora de casa, a compra de um novo tênis, o passeio no shopping, a matrícula na academia, o curso de inglês, a escola particular dos filhos, o cinema, a cerveja no happy hour de sexta etc. Com a perda do poder de compra, toda a economia baseada nos salários dos trabalhadores perde, e muito!

* Editor do Café, Luiz Fernando Cardoso é graduado em Jornalismo e Máster em Jornalismo Digital 


Merece:

0 comentário(s):

Postar um comentário