"Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade" George Orwell

segunda-feira, 15 de março de 2021

Diretor de colégio público tem de ser multifuncional na pandemia

15/03/2021_

Das assessorias – A ideia rasa de uma parcela da comunidade, de que os professores estão de folga porque não há aulas presenciais, passa muito longe da realidade vivida pela categoria na pandemia. "Tenho trabalhado 20 vezes mais do que se a escola estivesse aberta. Todos têm trabalhado exaustivamente".

Valdirene Rezende Senegalhe, diretora do Panorama de Sarandi – Fotos: Arquivo Pessoal
Valdirene Rezende Senegalhe, diretora do Panorama de Sarandi – Fotos: Arquivo Pessoal
A frase acima é da professora de História Valdirene Rezende Senegalhe, que trabalha na rede estadual há 16 anos, sempre em Sarandi. Diretora do Colégio Estadual Jardim Panorama desde janeiro de 2020, ela conta que o horário regular de expediente, como era em situação de normalidade, não existe na pandemia.

"A qualquer horário os pais entram em contato. Eu respondo mensagens às 10h, 11h da noite. Domingo, sábado, feriado e dia santo, todo dia é dia de trabalho. Eu atendo porque a comunidade não tem culpa pelos problemas da pandemia. Tenho dó de não atender fora do horário", diz a diretora.
Moradora do Panorama há 30 anos, Valdirene tem sua casa distante apenas 200 metros do colégio. Para todas as necessidades, lá está a diretora. Abrir a escola para a instalação da internet? Chama a Valdirene. Receber a merenda? Também. Checagem do registro de água e luz? Idem.


Segundo Valdirene, no período da pandemia os diretores precisam ser multifuncionais para dar conta de tantas demandas. Como é muito conhecida de sua comunidade, muitas dúvidas, por exemplo, acabam sendo esclarecidas a alunos que a abordam na rua, na lotérica e no mercado. 

Uma faceta multifuncional da diretora está em sua atuação nas redes sociais. Além do WhatsApp Business do colégio, ela atende os alunos, pais e mães em seus perfis pessoais e também nas páginas do Panorama no Facebook e no Instagram. Tudo isso demanda trabalho e torna a jornada ainda mais exaustiva.

Para a diretora, a maioria dos professores tem se empenhado ao máximo, desdobrando-se para aprender novas ferramentas. E muitos estão esgotados com uma rotina árdua de trabalho, que inclui turno extra não remunerado. "Não existe essa história de estar em casa, de boa, recebendo sem trabalhar, como pensam algumas pessoas", conta.


 Fachin anula condenações e Lula volta a ser elegível

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


Sinttromar se mobiliza por vacina contra covid-19 para motoristas

15/03/2021_

Das assessorias – Em ofício encaminhado à Prefeitura de Maringá, recentemente, o Sindicato dos Motoristas Rodoviários de Maringá (Sinttromar) solicitou que os trabalhadores do transporte coletivo urbano e metropolitano de Maringá sejam inseridos como trabalhadores da linha de risco. O sindicato quer que os motoristas também entrem para grupo prioritário na vacinação contra a covid-19, assim como ocorreu com os professores.

Ofício do Sinttromar
Ofício do Sinttromar
Assinado pelo presidente da entidade, Ronaldo José da Silva, o documento lembra que os motoristas desempenham função que não pode ser paralisada, por mais elevado que seja o risco de contágio – como é o caso deste momento delicado da pandemia. Além disso, do trabalho dos motoristas depende, inclusive, o ir e vir de muitos profissionais da saúde.

"A essencialidade não pode ser só na hora de atender a pessoa, mas também na vacina, porque são trabalhadores da linha de risco", diz Emerson Viana Silva, vice-presidente do Sinttromar.
O sindicato destacou, no ofício, que já existe histórico de motoristas infectados no exercício da função e que há recomendações da Procuradoria do Trabalho para que esses trabalhadores sejam reconhecidos como profissionais da linha de risco.

Segundo Emerson, o próximo passo será buscar o apoio de vereadores – identificados com a categoria – para a elaboração de um projeto de lei que inclua os motoristas em grupo prioritário da vacinação.


 Hossokawa passa pito em Cris Lauer sobre novo "desabafo"

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


sábado, 13 de março de 2021

Artigo: O presidente quer que você morra, mas isso não é tudo

13/03/2021_

Por Larissa Bezerra* – O presidente do Brasil quer que você morra. Isso já é ruim, né? Mas calma, fica pior ainda: ele não só deseja como está se esforçando ao máximo para que você morra. Quer ver piorar? Se você morrer, ele vai rir disso, como tem feito com os milhares que já perdemos, vai dizer que quem está chorando por você está de "mimimi".

Presidente Jair Bolsonaro – Foto: Carolina Antunes/Arquivo/PR
Grande parte das mortes por covid-19 poderiam ter sido evitadas se, desde o começo, ele estivesse se esforçando pra comprar vacina, se tivesse incentivado o isolamento e as outras medidas de proteção. Se estivesse pagando renda emergencial para que as pessoas pudessem ficar em casa sem passar fome. Se seguisse o exemplo dos países que conseguiram evitar tantas perdas. E se não tivesse usado SEU dinheiro para comprar cloroquina.

Pare de passar pano ou apoiar e pare de dar ouvidos a um genocida! Não existe tratamento precoce. Fique em casa o máximo que puder. Cobre para que a população seja vacinada logo. Use máscara. Não aglomere. Higienize as mãos corretamente. Cuide de você e de quem você ama. E foda-se o presidente, ele quer que você morra.

Nas Curvas de Maringá: Amizades e paquenas na mais bela cidade do Paraná – leia aqui
* Graduada em Jornalismo, Larissa Bezerra é pós-graduada em Jornalismo Esportivo e mestranda em Sociedade e Desenvolvimento pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Foi repórter do extinto jornal O Diário.



>>> Sobre o Café
>>> Sobre o Jornalista
>>> Cafeinado
>>> Maringá
>>> Política
>>> Economia
>>> Geral
>>> Entrevistas
>>> Artigos
>>> Imprensa

* Os artigos não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Jornalista, que os reproduz em exercício da atividade jornalística e amparado pela liberdade de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 

sexta-feira, 12 de março de 2021

Decreto a ser publicado neste sábado vai prorrogar até segunda as medidas de isolamento vigentes

12/03/2021_

Café com Jornalista, com PMM – Em reunião virtual, no fim da tarde desta sexta (12), o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da Prefeitura de Maringá decidiu prorrogar até as 23h59 da segunda (15) o decreto municipal vigente. O objetivo é diminuir o risco de contágio pela doença causada pelo coronavírus. 

Veja aqui quais são as regras em vigor, de acordo com o Decreto 632/2021. O novo decreto, prorrogando o atual, será publicado na manhã deste sábado (13).

Leia o Decreto 632/2021 na íntegra – clique aqui
Os membros do comitê concluíram que os números da pandemia, apesar de apresentarem declínio, ainda estão com níveis de contágio alarmantes. A ideia do comitê é ganhar tempo para análise do comportamento da covid-19, antes da publicação de um decreto alterando as regras – o que está previsto para segunda (15).

O comitê trabalha com a perspectiva de que o decreto da segunda venha a flexibilizar o funcionamento de algumas atividades e serviços. Contudo, algumas restrições deverão continuar, como a suspensão das aulas presenciais, a proibição de eventos, festas, aglomerações e o uso dos espaços públicos como praças e parques.

 No home office, professor faz terceiro turno não remunerado

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


Gratificação de 20% é aprovada para profissionais da saúde da linha de frente contra covid-19

12/03/2021_

Café com Jornalista – A Câmara de Maringá aprovou, na quinta (11), a gratificação temporária de 20% aos servidores municipais que atuam na linha de frente da covid-19. Como  recebeu emenda, a Casa realizou sessão extraordinária – após a ordinária – para ganhar tempo na votação em terceira discussão. Do contrário, a aprovação em definitivo teria ficado para terça (16).

Na opinião dos vereadores, emenda de Mário Verri (foto) e Professora Ana Lucia corrigiu uma injustiça no projeto de lei – Foto: Reprodução
Na opinião dos vereadores, emenda de Mário Verri (foto) e Professora Ana Lucia corrigiu uma injustiça no projeto de lei – Foto: Reprodução
Em trâmite desde 2 de fevereiro, o Projeto de Lei Complementar 2.038/2021 foi marcado por um amplo debate. Houve um esforço para ampliar o benefício a um número maior de servidores, porém, uma emenda que tratava do assunto foi considerada inconstitucional por aumentar despesas do Executivo – o que é competência exclusiva do prefeito.


Assim, ficou definido que a gratificação de 20% sobre vencimento ou salário inicial será paga a servidores efetivos lotados em local de enfrentamento à pandemia. O benefício não é retroativo e só será pago durante a situação de emergência da pandemia. 

De acordo com o projeto, a gratificação será considerada "na base de cálculo do servidor ou empregado, nos períodos de férias, na base de cálculo da gratificação natalina, bem como para o pagamento do 1/3 de férias".


Emenda

Bastante criticado pelos vereadores, o artigo 6º do PLC 2.038/2021 foi retirado do projeto por meio de emenda supressiva dos vereadores Mário Verri (PT) e Professora Ana Lucia (PDT). A emenda previa que o trabalhador só receberia o benefício se não tivesse nenhuma falta, ainda que justificada, durante o mês.

A emenda tiraria o benefício de servidores que precisassem se ausentar do trabalho por ter contraído o coronavírus. "Muitos servidores não estão lá na linha de frente porque estão covid ou porque caíram de moto porque estão trabalhando demais", disse Verri.


Para Sidnei Telles (Avante), não parece ser legal que o trabalhador com falta justificada deixe de receber a gratificação. Presidente da Câmara, Mário Hossokawa (PP) parabenizou Verri e Ana Lucia pela emenda supressiva.

"Penso que, da forma como está escrito, houve um equívoco da Prefeitura. Se faltar sem justificativa, até concordo [com a perda do benefício no mês], mas a pessoa que pegou a covid justamente por causa do trabalho não vai receber a gratificação?", questionou Hossokawa.
Alguns vereadores criticaram a redação de projetos do Executivo, principalmente quando tratam de impacto no orçamento. Nesses casos, a proposta não pode ser alterada pelos vereadores. "Recebi mensagens pedindo voto na emenda. Como? Não tem jeito. A emenda não pode ser votada", reclamou Telles.

Líder do governo na Câmara, Alex Chaves (MDB) acolheu as críticas feitas ao projeto. No entanto, ele voltou a alegar que a aprovação era urgente para não prejudicar ainda mais os servidores que estão na linha de frente no combate à covid-19. "Na primeira votação, falei a vossas excelências que o projeto não era tudo aquilo que nós gostaríamos que fosse", disse.

Professores

Também na sessão desta quinta, a Câmara aprovou em terceira discussão a redação final do projeto de lei que inclui professores e funcionários de estabelecimentos de ensino de Maringá em grupo prioritário na campanha de imunização contra a covid-19. O projeto segue agora para sanção do prefeito Ulisses Maia (PSD). Leia mais aqui.



>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


Maringá estima investir R$ 90,3 milhões na compra de vacinas em 2021

12/03/2021_

Café com Jornalista – A Prefeitura de Maringá quer adquirir vacinas para imunizar 265 mil maringaenses, ao custo de R$ 340,80 por pessoa (duas doses). A estimativa é de que sejam investidos na imunização, apenas em 2021, R$ 90.312.000.

Prefeito Ulisses Maia ao sancionar a lei – Foto: Reprodução
Prefeito Ulisses Maia ao sancionar a lei – Foto: Reprodução
Divulgada pela RPC nesta sexta (12), a informação foi checada pelo Café. A estimativa consta da Mensagem de Lei 18/2021, enviada pelo prefeito Ulisses Maia (PSD) à Câmara Municipal na segunda-feira (8).


Nas sessões de terça (9) e quinta (11), os vereadores aprovaram, por unanimidade, dois projetos de lei referentes à compra de vacinas pelo município. As matérias tramitaram em regime de urgência, sendo sancionadas por Ulisses na quinta.


Um dos projetos de lei (15.850/2021) autoriza a Prefeitura de Maringá a se filiar à Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), ao custo de R$ 93.575 com mensalidades – na soma de 2021. O outro (15.851/2021) ratifica o protocolo de intenções firmado entre os municípios brasileiros, visando à aquisição de vacinas, medicamentos, insumos e equipamentos para o combate à covid-19.

Líder do prefeito na Câmara, Alex Chaves (MDB) discursou nas sessões de terça e quinta em defesa da aprovação dos dois projetos. Segundo o vereador, a vacina é a única maneira de enfrentar a pandemia de forma efetiva, acabando com a necessidade de lockdown e permitindo a retomada do setor produtivo.

"Diante da possibilidade que foi levantada para a aquisição de vacinas, num consórcio entre municípios, com preço melhor e com uma celeridade maior que o próprio Ministério da Saúde tem conseguido, o prefeito [Ulisses] manda para nós o projeto que autoriza a cidade a fazer essa situação", disse Chaves.
Outros vereadores também demonstraram grande expectativa pela compra de vacinas pelos municípios. Presidente da Câmara, Mário Hossokawa (PP) disse que "a salvação das pessoas é a vacina". Onivaldo Barris (PSL) elogiou os prefeitos pela iniciativa.


Único médico desta legislatura, Dr. Manoel (PL) lamentou a quantidade de mortes no país e disse que quem critica a vacina "vive em outro mundo". Delegado Luiz Alves (Republicanos) afirmou que "as críticas contra a vacina são de pessoas que não entendem o que estão falando". 

Ao sancionar a lei, Ulisses agradeceu os vereadores pela aprovação dos dois projetos. "A lei vai possibilitar a compra da vacina em massa. Maringá vai ser uma das primeira cidades do Brasil a imunizar toda a sua população", disse o prefeito.
 
O sinal verde para que Estados e municípios – e não apenas o Ministério da Saúde – pudessem comprar vacinas foi dado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no fim de fevereiro. O  posicionamento da corte foi necessário devido à morosidade apresentada pelo governo federal na aquisição dos imunizantes. De acordo com a revista Piauí, o governo Bolsonaro recusou três ofertas de vacina, em 2020.

>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


quinta-feira, 11 de março de 2021

No home office, professor faz terceiro turno não remunerado

11/03/2021_

Das assessorias – Solução encontrada para proteger vidas pandemia, o trabalho remoto tem rendido a muitos profissionais da educação um turno extra de trabalho, investimentos do próprio bolso e nenhuma ajuda de custo do governo do Estado. Tem sido assim com Marcelo Junior dos Santos, 43 anos, professor de Geografia formado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Professor Marcelo Junior, dos colégios Unidade Polo e Independência
Professor Marcelo Junior, dos colégios Unidade Polo e Independência – Foto: Divulgação
Professor da rede estadual desde 2005, Marcelo Junior leciona nos colégios estaduais Unidade Polo (Maringá) e Independência (Sarandi). Segundo ele, o trabalho em home office tem hora para começar, mas não para acabar. Após dar aulas das 7h30 da manhã ao fim da tarde pelo Google Meet, e de subir os materiais didáticos para a plataforma do governo, às 17h30 começa a jornada extra – não remunerada.


É à noite que o professor do Unidade Polo e Independência tira um tempo extra para responder às dúvidas de estudantes e de pais e mães por e-mail e pelo WhatsApp. É nesse horário, também, que o professor reforça a divulgação de tarefas, insistindo para que seus alunos não abandonem os estudos.

"Não dá conta de fazer só na hora atividade, que é uma vez por semana. Então, a gente tem de atender eles [estudantes e pais] depois do horário mesmo. Não tem opção", comenta o professor.
Outro desafio do trabalho remoto são os custos adicionais. Para conseguir dar suas aulas, Marcelo Junior precisou investir do próprio bolso num ambiente adequado de trabalho, além de comprar equipamentos que não possuía, como microfone e câmera. Para acrescentar, é ele quem paga o boleto da internet.  

"O governo não ofereceu nada", reclama. "É uma situação bastante complexa. Tive de adaptar minha casa para conseguir dar minhas aulas, separando um cômodo para poder fazer isso", acrescenta.


Preocupação

Para Marcelo Junior, as dificuldades enfrentadas pelos professores não são maiores que aquelas das famílias mais humildes. Em muitos casos, relata o professor, os alunos não conseguem acompanhar as aulas virtuais porque o sinal é pesado demais para a internet oferecida pelo governo. 

"Muitas famílias não têm um telefone adequado, e os pais não têm condições de comprar um. Em outras famílias, só há um telefone para três filhos acompanharem as aulas. Por isso, muitos só conseguem fazer as atividades na plataforma", relata.

Volta às aulas

Quem é professor sabe que não há a mínima chance de retomar as aulas presenciais, neste momento de pico da covid-19, sem colocar a comunidade escolar em risco. "Tive aluno que reclamou que a família toda está com coronavírus. Imagina se esses estudantes estivessem indo à aula?", questiona.


Marcelo Junior acrescenta que crianças e adolescentes não têm a mesma atenção dos adultos para com os protocolos de segurança. Segundo ele, se o governo insistir em adotar o sistema híbrido, agora, "vai ser uma catástrofe".

Apesar de a volta às aulas presenciais significar o fim do terceiro turno de trabalho (não remunerado), Marcelo Junior defende que isso só deve ocorrer com o mínimo de segurança. Ou seja, com os profissionais da educação vacinados.

Amanhã

A série "Trabalho remoto é TRABALHO", da APP-Sindicato Maringá, continua nesta sexta (12) com a rotina de um outro profissional da educação. Acompanhe.



>>> Eleições 2020

* Matérias e opiniões publicadas no Café com Jornalista estão compreendidas pela atividade jornalística e amparadas pela liberdade de imprensa e de expressão. (Do editor)



A página do Café no Facebook superou a marca de 3.000 curtidas na Sexta-feira Santa, em 10 de abril, graças aos leitores assíduos que apoiam o blog. Para ser informado sobre novas matérias publicadas, curta você também e convide seus amigos para curtir. Clique aqui.


Para receber as últimas notícias do Café com Jornalista no seu WhatsApp é muito fácil. Basta enviar para o número acima a mensagem "Quero Café", informando seu nome e sua cidade de origem. Seu número será, então, adicionado a uma lista de transmissão dos seguidores do blog. A qualquer momento, você poderá cancelar a inscrição. 


Editor

Minha foto
Graduado em Jornalismo e pós-graduado em Jornalismo Digital, o editor do Café com Jornalista tem 20 anos de experiência na profissão. Especialista na cobertura de política, o jornalista trabalhou nos jornais Diário do Sudoeste, Jornal de Beltrão, Diário do Norte, O Diário de Maringá e Notícias do Dia, onde foi editor-chefe. Foi estagiário na Deutsche Welle (DW), em Bonn (Alemanha), e colaborador da Folha de S.Paulo e Gazeta do Povo. É escritor autor de três e-books: Orfeu e Violeta, Quero Café! e Nas Curvas de Maringá (pesquise na Amazon). Siga no Twitter: @LF_jornalista